Cultura material militar::Capacetes


parte3/3Esta é a última parte da última parte (até agora – fiquem atentos!..) e continuaremos falando sobre o stahlhelm, o “capacete alemão”. É interessante observar que ainda hoje em dia é uma das peças mais procuradas por colecionadores, sendo que alguns exemplares alcançam preços bem razoáveis, para um item de produção em massa. Depois do fim do bloco soviético, surgiram, naqueles países, notadamente na Polônia e nos Países Bálticos, grupos de “arqueólogos” especializados em encontrar relíquias da 2a GM, que acabam indo parar nas mãos de colecionadores norte-americanos, ingleses e canadenses. Existe também um indústria de cópias, feitas em diversos materiais (inclusive plástico), destinadas principalmente aos produtores de cinema e a reencenadores (reenactors). Trata-se de um curioso tipo de passatempo muito comum nos países de língua inglesa: um bando de marmanjos se junta e representa, em escala menor, batalhas de diversas guerras, ou até mesmo a vida em um quartel. Enfim, nada mais que a popular “brincadeira de soldado”, só que com equipamentos cujo preço total pode chegar até 15.000 dólares. Como diz o ditado, “o que separa os homens dos meninos é o preço de seus brinquedos“…::

:: :: :: :: :: :: :: :: :: :: ::

Parte 3.2 Uma vez iniciada a guerra, o capacete M35 passou, no início de 1940, pela primeira das poucas modificações que viria a sofrer. Destinada a facilitar o processo de produção, reduzindo o número de operações necessárias, mudou o orifício de ventilação, que passou a ser uma simples perfuração, perdendo o complicado acabamento de fábrica. Entretanto, essa mudança dificilmente seria percebida sem muita atenção, mesmo pelos usuários. Essa *nova versão foi denominada “M40”. Pequenas mudanças incluem a diminuição drástica no uso de decalques – as tropas tendiam a implicar com as insígnias nacionais – e o surgimento de padrões de pintura não usados até então.
Mudanças radicais só viriam a aparecer em 1942. O estabelecimento da política de “guerra total”, supervisionada por Albert Speer, levou a que uma enorme gama de processos industriais fosse auditada, para simplificação e economia. As fábricas que produziam capacetes receberam instruções para eliminar as bordas viradas para dentro, resultando num acabamento mais grosseiro, no qual o corte da chapa passava a ser virado para fora e com polimento bem menos cuidado. O tempo de produção de cada artefato, em conseqüência, foi grandemente reduzido. Paralelamente, o uso de dois decalques (insígnias nacionais e de corporação) foi quase eliminado, mantendo-se, em geral, apenas o de corporação. Outra mudança notável foi a diminuição da qualidade da carnera e da jugular, providências tomadas para economizar couro. O M42 seria o modelo usado pelas forças armadas alemãs e serviços auxiliares pelo resto da guerra.

Uma das variantes mais interessantes do stahlhelm, e que se tornou também, após a guerra, bastante rara, é o capacete de pára-quedista (ou em alemão, Fallschirmjäger). É basicamente o modelo 1935/40, do qual foram eliminados o visor e a proteção para o pescoço. Essa versão foi denominada *M37/38, e também se caracteriza por uma carneira e jugular almofadadas. Um detalhe pouco conhecido é que haviam pára-quedistas do exército e da Luftwaffe, de modo que é possível observar capacetes especiais com cores e dacalques de ambas as corporações. Não existe certeza sobre os motivos que levaram às modificações no stahlhelm e resultaram no “capacete de pára-quedista”. Algumas fontes falam de uma tentativa de diminuir o peso do conjunto; outras, em acidentes motivados pelo arrasto provocado pelo formato do protetor de pescoço. É possível que ambas as razões sejam corretas.

Embora as cores básicas do capacete alemão sejam aquelas mencionadas na primeira parte deste artigo, uma grande variedade de padrões surgiu no decorrer da guerra, principalmente padrões de camuflagem. Esses padrões de pintura se tornaram comuns após o primeiro inverno na Frente Oriental, que levou a Wehrmacht a providenciar equipamentos mais adequados para as condições de combate naquela frente. Coberturas de tecido, praticamente inexistentes até então, passaram a ser distribuídas em grande quantidade. Ainda assim, as tropas em campanha não se acostumaram muito rapidamente a usá-las. Antes da primavera de 1942 era mais comum o uso de coberturas pela SS militarizada, as Waffen SS (ao pé-da-letra, “SS armadas”), enquanto tropas do exército preferiam *pintar os capacetes, hábito observado desde o início do conflito e que persistiu até o término da guerra. Também era comum que as tropas regulares usassem redes de camuflagem ou até mesmo telas metálicas cobrindo seus capacetes. Depois de 1941, um tipo de tinta removível foi distribuíd0, principalmente na Frente Oriental, durante o inverno.

Para terminar, vale chamar atenção para os capacetes que passaram a ser distribuídos, depois de iniciada a guerra, para o pessoal da Guarda Anti-aérea (Luftschutz), policiais, tropas auxiliares da SS, bombeiros e membros de serviços civis. Esses capacetes eram, em geral, diferentes dos modelos entregues aos militares. O material era mais leve e de menor espessura e o acabamento, muito grosseiro. Os capacetes de bombeiro eram providos de um ressalto de ventilação, feito de alumínio, que os torna completamente diferentes dos outros.
É impossível calcular quantos capacetes foram fabricados pela Alemanha durante a 2a GM. Não existe sequer documentação que identifique com segurança as fábricas que os produziram, mas sabe-se que subiam a mais de 200, distribuídas por toda a Europa ocupada. No periodo final da guerra, a manufatura tinha sido muito simplificada, e grandes estoques foram descobertos pelas tropas aliadas. O exército da Alemanha Oriental chegou a usar, durante algum tempo, stahlhelms obtidos de estoques capturados. Em meados dos anos 1950, *um novo desenho, claramente uma tentativa de manter a tradição do stahlhelm, foi adotado. O *Exército do Chile, que, entre 1931 e 1937 foi treinado por uma missão militar alemã, também adotou o stahlhelm – e o uniforme alemão -, e, até recentemtne, ainda o usava em ocasiões cerimoniais. Muito adequado, para o exército que deu ao mundo a figura adorável de Augusto Pinochet…::

O filminho mostra a busca por relíquias in situ. Pela “técnica de escavação” do sujeito, pode-se notar que ele é tão arqueólogo quanto eu…::

Anúncios

9 pensamentos sobre “Cultura material militar::Capacetes

  1. Essa mania dos anglófonos de reencenar batalhas, citada pelo Bitt, é bem curiosa. Vale de tudo: da batalha de Hastings, quando a Inglaterra virou, para sempre, colônia normanda, às batalhas da Guerra Civil dos EUA. Confesso que ainda não sei se acho algo meio infantil para ser feito por adultos ou um passatempo interessante.
    Mais este artigo sobre capacetes me leva a sugerir um tópico semelhante: o capacete dos brasileiros na II Guerra, semelhante ao norte-americano, foi fornecido pelos EUA? Como era o capacete padrão do nosso exército antes da FEB? Na I Guerra, por exemplo?
    Sem dúvida o capacete da turma do Pinocho era uma déja vu assustador. Parece que o general se animou tanto com seu “chapéu” que resolveu imitar Hitler em mais de um sentido.

    • O reenactement é uma verdadeira indústria, nos EUA, no Canadá e na Inglaterra. Se alguém aqui lembra o filme “Glória” – a melhor reconstituição de batalha de já vi no cinema, tanto confederados como federais eram grupos de reenactment – mais de 600 caras, dá pra imaginar?

    • Vou postar algo sobre o assunto, ao longo de maio, no programa de comemoração do fim da 2a GM. Mas já q vc falou, o EB usava capacetes de fibra até a 1a GM – como todo mundo. Adotou capacetes de aço a partir dos anos 20, com a Missão Francesa.

  2. Impressão minha, ou o rapaz do post abaixo usa um capacete inspirado no stahlhelm?

    O Darth Vader, certamente usava.

    Hheheh.

    • Bom, de fato, o capacete do Darth Vader me parece mais inspirado no capacete do século 15 que inspirou os alemães, um negócio chamado burgoner, ou coisa assim. Olhabd esse, vc não tem como não associar os dois.

    • Bem, visto q um capacete desses, original, com certificado de autenticidade, pode valer, 4, 5 mil dólares no mercado de militaria (se tiver marca de proprietário, pode chegar tranquilamente a 20.000 dólares), valeria uma bomba na cara, não acha? :c) Sds!

      • Fala gente, eu tenho um capacete desse, (M35) e gostaria de vender, alguem sabe me dizer o preço de um desse? ainda tem o nome do soldado no capecete. Desde já agradeço.

      • Aqui no Brasil, dificilmente vc conseguirá vender esse objeto pelo preço justo, que, no caso, se ele estiver em bom estado, pode alcançar 500 dólares. Caso vc consiga identificar o proprietário, pode ir a 700-800. Minha sugestão é que tente vender pelo e-Bay, mas será difícil receber a grana fora dos EUA. Uma pergunta – o capacete é do Exército da SS (que costumam a valer mais) ou da Luftwaffe?

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s