Cultura material militar::As primeiras armas de fogo da infantaria::


As armas portáteis surgiram quase ao mesmo tempo que os primeiros canhões. Mas “portátil” era apenas maneira de dizer: lá pelo ano 1300 da era cristã, eram, de fato, pequenos canhões fixados na ponta de um forte bastão de madeira ou de ferro, que podiam ser transportados de um lado para outro com maior facilidade, principalmente nas muralhas dos castelos – tanto que aparecem, com freqüência, denominadas “canhões de muralha” ou “de parapeito”.

 De resto, não diferiam muito dos outros canhões:  carregados pela boca (de “antecarga”, no jargão dos especialistas), o interior do tubo era liso, o que tornava o tiro muito pouco preciso. A carga de pólvora era socada no interior do tubo, e sobre ela colocada um bucha de estopa, que se destinava a potencializar a explosão. Essas primitivas armas de fogo tinham um orifício perfurado na extremidade posterior, chamado “luz”, através do qual eram despejada certa quantidade de pólvora e, no momento do disparo, pressionado um bastão aceso, que incendiava a pólvora e iniciava a explosão. Com uma dose de sorte, o jato de gás lançava a bala – inicialmente feita de pedra e, pouco depois, de metal – na direção do alvo. Após o disparo, era necessário esperar certo tempo para que o interior do tubo esfriasse. Em função da baixa qualidade de pólvora, os tubos precisavam ser constantemente limpos, o que tinha de acontecer após no máximo uns dez disparos.

A partir de meados do século 15 começaram a surgir, na Europa Central, armas menores, mais leves, de antecarga, cujos longos canos de metal forjado eram fixados sobre uma armação de madeira.  O sistema de disparo, chamado “fecho”, surgiu conforme o tamanho e o peso da arma diminuíram o suficiente para permitir que o tiro fosse realizado a partir do ombro o atirador. Este tinha de “mirar” (em português, esse verbo vem do espanhol mirar, ou seja “olhar”) o alvo pressionando o rosto contra a extremidade anterior da armação de madeira sobre a qual o cano era fixado, ao mesmo tempo que pressionava o bastão incandescente no interior da “luz”. Essa armação de madeira tinha, inicialmente, forma semelhante a de uma bengala, com um gancho na extremidade posterior, em alemão hake. Sobre essa armação era montado o canhão, büchse. A contração das palavras deu origem ao substantivo hakenbüchse, que passou ao francês antigo como haquebuse, depois arquebuse, e se tornou a portuguesa “arcabuz” (em inglês, arquebus ou harkbus). Esses “canhões de arco” foram as primeiras armas de fogo realmente portáteis. Com o tempo, modificariam o campo de batalha de forma irreversível.

Arcabuz centro europeu (Suhl, atual Alemanha Central), final do século 16. O fecho de mecha é acionado por gatilho.

Tratava-se de uma arma baixa velocidade de boca, utilizada contra tropas equipadas com sistemas de proteção individual chamados “armaduras de infante”. Esse tipo de proteção, uma armadura mais leve e delgada, feita de aço e couro, começou a se tornar comum nos campos de batalha por volta do início do século 15. Beneficiando-se de novas técnicas de metalurgia e novas ligas de metal, esse tipo de armadura era totalmente capaz de parar um tiro de arcabuz, desde que a distância não fosse pequena. Nessa distância, a arma de fogo penetrava até mesmo as armaduras da cavalaria pesada, que, nessa época, já estava em decadência. O resultado foi que a armadura pesada (chamada “de placas”, pois cobria inteiramente o corpo do cavaleiro com placas de metal) começou a ser abandonada, tanto pela cavalaria quanto pela infantaria, até que, no final do século 17, quase não se viam mais armaduras em campo.

Essas primeiras armas de fogo ainda tinham muitas limitações. O mecanismo de disparo, o “fecho” (em inglês lock), era composto por uma peça em formato de “S” (por esse motivo chamada de “serpentina”) fixada na armação de madeira porum eixo móvel. Movida pelo atirador, essa peça aproximava a mecha (match) da luz. Uma novidade introduzida no final do século 14 era um ressalto, semelhante a uma pequena pia, que envolvia a “luz”. Essa peça passou a ser chamada de “caçoleta” (em inglês, flashpan). Dentro era colocada uma quantidade de pólvora chamada “escorva”. A mecha, nessas armas, era literalmente um pavio de algodão embebido em alguma substância de queima lenta que, por isso, não apagava, mas era suscetível à chuva e à umidade, além de, por motivos óbvios, ser muito visível à noite – situações que podiam deixar o atirador na mão. Além do mais, o choque da peça que mantinha o pavio no lugar com a “luz” geralmente apagava a brasa, que tinha de ser novamente acendida após o tiro. Em meados do século 15, sistemas de molas e travas passaram a permitir que um simples toque de dedo (bem, não tão simples – a coisa era muito dura) acionasse a peça e colocasse no lugar.

Pistola de origem singalesa, século 18. O fecho de mecha é perfeitamente visível, inclusive com a mecha em posição.

Esse aperfeiçoamento facilitou a pontaria da arma, uma vez que diminuiu o número de movimentos necessários para o disparo: o atirador não tinha mais de mover o braço. A caçoleta também acabou afetada pelo novo sistema: por volta do final do século 16, começaram a ser introduzidos nas armas uma espécie de “tampa” que mantinha a pólvora isolada da brasa até o momento do disparo. Conforme o atirador acionava o gatilho, a serpentina , liberada, era lançada para frente. A pancada empurrava a tampa e expunha a escorva. Essa foi a origem do “fecho de pressão” (snaplock), que seria aperfeiçoado e se manteria como processo dominante ao longo de mais de três séculos.

O problema é que levava um instante entre a ignição da escorva e a ignição da carga de pólvora no interior do cano. Esse intervalo de tempo comprometia a precisão do tiro e condicionava a tática, que, a partir do século 16, buscava a concentração de fogo. Levaria certo tempo para ser resolvido.

A partir de meados do século 16, começaram a aparecer novos mecanismos de fecho. O “fecho de rodete”, um mecanismo semelhante ao dos modernos isqueiros, mas muito mais complexo, foi um deles, e é notável. Um mecanismo de corda acionado pelo atiraador tracionava uma mola presa a uma roda de superfície áspera, na lateral da arma. Sobre a roda, uma pedra de pirita fixada em uma braçadeira móvel (que passou a ser chamada de “cão”, ou, em inglês, cock – “galo”talvez devido ao formato) era mantida sobre a roda, sem tocá-la. Quando o atirador acionava o gatilho, a roda começava a girar ao mesmo tempo que a braçadeira se soltava, colocando a pedra de pirita numa distância suficiente para ser friccionada pela roda. As fagulhas resultantes incendiavam a escorva e faziam a arma disparar. O sistema era eficaz, embora difícil de fazer, caro e muito sujeito a defeitos. Chegou a ser distribuído para tropas de cavalaria, ao longo do século 17, pois podia ser facilmente operado sobre um cavalo. Mas era uma arma de luxo, de fabricação cara e demorada.

Pistola alemã de fecho de rodete, provavelmente do final do século 16, estilo de arma de cavalaria (notável pelo desenho da coronha). Os detalhes do mecanismo são bem visiveis, embora a pedra de pirita não esteja no lugar.

O fecho de rodete, embora não tivesse tido vida longa, deu início a uma inovação que seria marcante: o uso da pederneira. Isso significa, genericamente, a utilização de uma pedra para gerar faíscas. De fato, o sistema de rodete não era verdadeiramente “de pederneira”, apesar de utilizar o princípio da fricção para gerar faíscas. Os sistemas de pederneira verdadeiros utilizavam o princípio do “fecho de pressão” (snaplock): o cão, que passou a ter forma de “meio S”, era mantido em posição após ser puxado para trás pelo atirador, por um sistema de molas e trava. Ficava preso ao “gatilho” (do espanhol gatillo – “pescoço longo”; em inglês, trigger), e quando este era pressionado, solvava uma mola de pressão que o lançava violentamente para frente. O resultado desse movimento era o choque com uma peça vertical, de metal rugoso, que integrava-se à tampa da caçoleta. Uma pedra presa ao cão produzia fagulhas, que incendiavam a escorva. Esse sistema começou a aparecer por volta de meados do século 16. O desenvolvimento iria levar algum tempo, e podemos dividi-lo em três sistemas distintos: chenapan, miquelete e flintlock. Todos utilizam o “fecho de pressão” e uma pedra de pederneira (silex pirômaco – em inglês, flint) para produzir as faíscas. Esses sim, são “de pederneira”.

O sistema chenapan foi o primeiro a surgir. A palavra chenapan, usada na Espanha, Itália e França, é uma variação de snaphance, que, segundo é aceito pela maioria dos especialistas, deriva do alemão schnapphahn, “galo bicador”. O funcionamento segue, com variações de desenho, o processo do “fecho de pressão”. As peças do sistema são mantidas no lugar por molas de pressão que ficam encaixadas no interior do fecho. A versão miquelete é basicamente igual, mas o mecanismo de molas ficava na parte exterior do fecho. O miquelete apareceu na Espanha, no final do século 16.

No final do século 16, a maioria dos exércitos nacionais e das forças armadas autorizadas estavam dotadas parcialmente com armas do tipo descrito acima. Embora centenas de variações sejam descritas, a partir de bibliografia e de artefatos conservados em museus, o sistema se manteria suas características básicas até a primeira metade do século 19.

O fecho de pederneira (flintlock, em inglês) propriamente dito, guarda semelhanças com os dois sistemas descritos acima. O aperfeiçoamento mais notável era no desenho da chapa seladora da caçoleta, que se tornou menor e mais eficiente na função de isolar a escorva do exterior. Esse novo desenho, característico dos mosquetes Brown Bess do exército inglês e do Charleville francês, evitava a perda de pólvora quando a arma estivesse em movimento.

Armas de pederneira eram geralmente de antecarga, embora, ao longo dos séculos 17 e 18 tenham surgido exemplares carregados pela culatra (de “retrocarga”). O baixo nível das técnicas metalúrgicas e de forjaria, entretanto, tornava a vedação da câmara um problema de difícil solução, tornando o tiro ainda mais ineficaz. Outro problema era a imprecisão. As armas disparavam projetis redondos, feitos de uma liga de chumbo e estanho. O alcance era pequeno, algo da ordem de 400 metros. Os problemas eram diversos, a começar pela baixa potência da pólvora negra. Os canos de alma lisa tornavam a trajetória imprevisível, com uma tendência à deflecção. Essas duas ordens de problemas só seriam resolvidas com a introdução de pólvoras químicas, que explodiam mais rapidamente e de forma mais estável. A estabilidade da trajetória já tinha uma solução proposta desde o final do século 15 – o raiamento do cano. A idéia parece que já tinha ocorrido a diversos armeiros centro-europeus, mas, outra vez, as técnicas de metalurgia tornavam o processo complicado e caro. Tudo isso teria de esperar até que a segunda fase da Revolução Industrial revolucionasse a indústria::

Anúncios

14 pensamentos sobre “Cultura material militar::As primeiras armas de fogo da infantaria::

  1. Eu sei que não é o tema principal falar sobre canhões, mas estava lendo o livro que se passa em 1347 e cita o uso de canhões operados por genoveses, mas ainda numa fase muito inicial, eram feitos de cobre e podiam até explodir, eles eram acoplados a uma base fixa no chão.

    E, se possível, colocar mais fotos aí, porque tá difícil compreender esses sistema de acionamento só pela leitura.

    Ah, grande texto cara, como sempre.

    • Logan, sds! Esse assunto é mesmo fascinante. Nunca outi falar em canhões de cobre, visto que esse metal é muito ductil, e só serve para armas (mesmo as de corte) quando misturado com chumbo e estanho, o q dá o bronze). É possível q, logo no começo, tenha sido tentado. No mais, era isso q vc escreveu: o tubo era fixado numa peça de madeira e colocado no chão, por causa do recuo. Os “bronzes”, tubos fundidos em uma única peça, apareceram na França, Itália e Alemanha, no século 15, conforme evoluiu a técnica de “molde de cera perdida”. Os tubos passaram a ser fundidos por inteiro, e deixaram de ter as costuras que a técnica de forja deixava, o que permitiu a evolução das técnicas de tiro.

  2. Nesse caso era bronze mesmo, falei sem ter certeza, mas o livro é de Bernard Cromwell, da trilogia dele sobre o santo graal. O próprio autor conta que é o início do uso de canhões na europa e o “começo do fim” dos arqueiros ingleses (que aliás merecem um post, hehehe)se bem que li uma vez que continuaram sendo usados arqueiros até o início século XIX.
    No livro ele descreve (com uma parte de ficção claro) algumas batalhas importantes da guerra dos cem anos.

  3. Ora, ora, dessa vez a análise foi longe no tempo.

    Logan, fui no museu naval de Portsmouth e lá havia algumas peças antigas que vc podia usar para ‘sentir o drama’ de usar o equipamento. Dentre estas o arco longo inglês é um monstro de uns dois metros de altura e como o Cromwell descreveu realmente demanda muito músculo para usar, eu suei para esticá-lo.

  4. renato procure no youtube e você vê algumas reproduções de arcos ingleses sendo usados aí dá pra “sentir o drama” hehehe.

  5. Aliás não porque você mesmo usou, então pra quem nunca teve a oportunidade, deu pra entender né.
    Agora seria interessante mesmo ver um desses canhões “funcionando” hehehe.

  6. Caros, esse é um debate interessante.Qdo estudei nos Canadá, nos anos 1990, descobri uma série de “clubes de tiro” cujo tiro era feito com diversos tipos de arco e flecha. Eles chamam, corretamente, o disparo de uma flecha de “tiro”, em função da história do arremesso que discutimos em uma postagem anterior. Tinha, nas proximades de Montreal um clube que reproduzia diversas batalhas decididas por longbow, ou “britbow”, como eles chamavam, e pelo “crossbow”, a besta, (junto com a cota de malhas, as invenções mais formidáveis q já vi, no campo de batalha). Certa vez um sujeito me mostrou uma série de estudos q mostravam q um tiro com o “75 quilos” (acho q é o q vc citou, o bow, 6 feet, 165 pounds) equivalia, à distância de 300 metros, à um impacto de 9 mm. Com a besta (crossbow) veneziana (molas de metal) é pior ainda: manejada por um atirador profissional, é absolutamente precisa até uma distância de 200 metros; até 50 m, a trajetória é tensa e o virago (a seta especial para essas armas, com aprox. 30 cm, feita de carvalho e com ponta de aço) atravessa qualquer coisa com até 5 cms de largura, inclusive metal. Não é cascata – vi ísso acontecer várias vzs.

  7. E ainda tem aquela besta chinesa que dava pra atirar varios, agora acho que o arco ingles impressiona não só pelo tamanho, mas tambem pelo alcance. E no livro diz que os caras chegavam a atirar com uma velocidade impressionante.

  8. Agora na wikipedia eles citam números como: “Self-yew English longbow, 6 ft 6 in (2 m) long, 470 N (105 lbf) draw force.” na legenda de uma foto: http://en.wikipedia.org/wiki/File:Englishlongbow.jpg

    e: although the draw weight of a typical English longbow is disputed, it was at least 360 N (80 lbf) and possibly more than 650 N (143 lbf) with some high-end estimates at 900N (202 lbf).

    Eles chegaram a esses numeros a partir de arcos achados num navio naufragado, o mary rose, impressionantes.

    • Parece que estão preparando um museu inteiro com os artefatos retirados do Mary Rose (que afundou sozinho, visto q o projeto desse tipo de navio – chamava-se “carraca” – não previa a instalação de artilharia), algo em torno de 40.000 peças, já pensou?

  9. Bitt, o museu já existe e está em Portsmouth, foi lá que eu vi o arco inglês. Pelo que entendi, análises de esqueletos de arqueiros encontrados no navio mostram que eles provavelmente tinham um braço bem mais forte que o outro, quase uma deformação, efeito da prática com o arco desde criança.

    Inclusive se um dia vier para o Reino Unido, recomendo com fervor o sul da inglaterra: Southampton é a cidade do Sptifire; em Portsmouth o museu naval fica junto à maior base da Royal Navy e ainda tem o museu do dia D; em Dorset tem o Tank Museum cujo nome já diz tudo; e no Bealieu o secret army museum, centro de treinamento de comandos e espiões na 2a. guerra.

    Para vc e meus companheiros 6 leitores é um ótimo playground.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s