Reflexões de fim de ano::


Olha só, o ano está quase terminando… É uma boa oportunidade para reflexão ou seja, para que o redator pretensioso fazer o que mais gosta – falar sobre seu blogue. Como sabem os sete ou oito leitores, causa:: se pretende “recurso de pesquisa”. Isso significa que seu objetivo é apoiar, fornecendo conteúdo, todos aqueles que pretendam adquirir conhecimentos sobre os assuntos que abordados aqui – em termos gerais: história militar, história da tecnologia militar e cultura material militar (este último é mais difícil de definir, mas diz respeito a todos os artefatos que conformam e fazem parte da vida militar). Ao longo desse ano, o redator notou que os temas de interesse acabam conduzindo a outros. Assim, os três temas acima acabam se desdobrando, e assuntos sobre política nacional, internacional e a irmã siamesa delas, a estratégia, surgem freqüentemente. E um quarto tema acaba sendo figurinha fácil – a história. Os leitores já devem ter notado que, com certa assiduidade, causa:: aponta a necessidade de se conhecer história para que melhor sejam distrinchados os problemas e as vicissitudes que assolam nossa Pátria – e que, todos sabemos, não são poucos. Constatar esses problemas não significa “não gostar” de nosso país. Ao contrário. Como diz o historiador Benedict Anderson, “o nacionalismo é como um corpo saudável, e ter uma nacionalidade é considerado tão natural como ter um nariz”. O redator concorda, e acrescentaria que, para além da Nação, a Pátria é o sentimento individual de pertencimento à Nação. Entretanto, é curioso que alguns dentre nós, brasileiros, tenham a mania de falar mal de nosso país, como se fazer parte dele fosse algo a lamentar. E alguns dentre nós, brasileiros, insistem em confundir coisas que não deveriam ser confundidas, como, por exemplo, o país com o governo; ou falta de guerra com inutilidade das forças armadas. Ou “patriotismo” com “coisa de militar”. Neste quesito, os próprios militares entram na confusão, já que, em geral, parecem considerar-se mais “patriotas” do que o resto de nós. Por outro lado, muitos de nós, civis, parecem achar que “o patriotismo é o último refúgio dos canalhas“. Nem uma coisa, nem outra. Nesse momento, o redator invoca a história. A confusão, de ambos os lados, vem de que, de fato, todos conhecemos mal nossa história, e quando conhecemos, é uma “versão oficial” qualquer. A história, quando na “versão oficial” (aquela cheia de nomes, datas, batalhas, homens sérios, etc, etc), é um abrigo seguro e confortável para algumas certezas – que de certas, não tem nada. Por certo, conhecer a história que foi vivida, aquela cheia de luta, trabalho, construção, discordância, vitória, derrota – ou seja, aquela de que as pessoas, militares e civis, são os atores – é o melhor caminho para derrubar abrigos e certezas. A história mostra que, se não forem pertencimento e responsabilidade comum, o passado nunca é o que parece e o futuro, apenas incerto. Pois então, continuaremos, no próximo ano, às voltas com a história – com nosso presente e seu tributários, passado e futuro. É uma tarefa produtiva e divertida, ou seja – faz vale o tempo que o redator dedica à essas pesquisas e (espera ele), o tempo que os sete ou oito leitores gastam no blogue.

E, por ora, é só. Ou melhor, por um mês, o de janeiro, em que o redator tirará férias e o blogue ficará inativo. Isso não significa parada total, mas apenas que os dois tópicos semanais (média de postagens que foi mantida em 2009) provavelmente diminuirá muito. Em fevereiro, voltamos, com a expectativa de que os leitores voltem também::

Anúncios

3 pensamentos sobre “Reflexões de fim de ano::

  1. Bela reflexão, bitt! E totalmente correta, ao mostrar que incertezas estão à espreita, tanto no passado, nas suas várias versões e mais ainda no futuro, por mais que queiramos construir um futuro mais ordenado, digamos assim. Claro que com isso, refiro-me à terra brasilis, o país dos sonhos adiados. Bem, esperemos. E, no meio de tudo isso, só gostaria de deixar meus melhores votos de Ano Novo a você e aos distintos colegas. Longa vida à Causa!

  2. Alba, Pax, Diogo, Logan, Renato Luiz Candido, Luiz Pinelli, os sumidos Comandante Bond, Colafina, Darwinista, Pax, e todos os outros, q, no melhor estilo FE, deslizam pelas sombras. Escrever essas coisas (que, no fim da contas, nem são assim tão originais) é uma forma de chamar a atenção de todos vocs. Fico feliz e honrado com a convivência, e por saber que, em algum lugar, estão todos por aqui.
    Tenham um ótimo fim de ano, descansem bem que, em 2010, os esperarei.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s