Um rapaz das Forças Especiais às Terças::Alferes Pio Correia da Rocha, 1866


Alferes (segundo-tenente) de infantaria (o sabre distingue um oficial dessa arma) do 7° Batalhão de Voluntários da Pátria Pio Corrêa da Rocha, de Araraquara, na província de São Paulo. O alferes Pio morreu aos 22 anos, possivelmente em decorrência de ferimentos de combate sofridos na batalha de Curupaiti, em junho de 1866 (leia a história completa da batalha aqui, e a de Pio, aqui). Não se conhece maiores informações sobre a breve carreira militar do alferes Pio, apenas que teria sido um voluntário disciplinado, foi promovido a primeiro-tenente por merecimento e era portador de condecorações. O alferes é hoje nome de uma rua em São Paulo, e a cidade de Araraquara tenta preservar sua memória. Existem muitos monumentos à memória de generais, mas, até onde saiba esse redator, nenhum homenageia o soldado sem sepultura, pois, depois da guerra, o Império do Brasil não se importou em identificar cemiterios de campanha. Em Campos dos Goitacazes (RJ), desde 1947, o capitão de Voluntários da Pátria Manuel Teodoro Batista, morto em 1866 em um hospital de Buenos Aires, por ferimentos sofridos na Batalha de Tuiuti, descansa em um dos ângulos do “Monumento ao Soldado Brasileiro”; em Monte Alegre de Minas encontra-se o único cemitério identificado onde repousam mortos da Guerra do Paraguai; em Barra dos Bugres (MS), um monumento lembra os mortos sem rosto daqueles seis anos memoráveis.  Quem conhecer algum outro, manifeste-se…::

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s