Algumas reflexões sobre o Exército Brasileiro::Sobre equipamentos e modernizações::


Notei, revendo os posts publicados no causa:: ao longo dos últimos anos, que, quando o assunto é Brasil, a maioria deles diz respeito à Força Aérea e à Marinha. O Exército Brasileiro, força singular criada em 1822, e que teve significativa presença ao longo de nossa história, ficou relegado a um pouco honroso terceiro posto. Quando o assunto é rearmamento, então, quase nada diz respeito à corporação verde-oliva. Tentarei corrigir essa injustiça para com nossos milicos. causa:: irá publicar, neste post e no próximo, dois artigos que dizem respeito à questões ligadas à doutrina e ao equipamento da Força Terrestre brasileira. Divirtam-se!::

Parte1Outro dia, li uma notícia bastante elogiosa em torno de um batalhão de engenharia de construção envolvido nas obras do complexo de transposição das águas do Rio São Francisco. Ao que parece as pessoas comuns entendem que se trata de uma “aplicação construtiva” dos meios militares nacionais, da mesma forma que também é entendida como “aplicação construtiva” a utilização das tropas regulares em tarefas de policiamento urbano. De outra forma, as pessoas parecem entender, os militares estariam parados nos quartéis, sem nada a fazer, porque somos uma nação pacífica. É umavisão algo tosca do que significa a tarefa de prontidão para a defesa da soberania nacional.

Nessa direção, talvez o EB seja, dentre as forças singulares, a mais problemática. Em primeiro lugar, por seu volume: dos quase 300.000 efetivos das FFAA brasileiras, mais da metade (em torno de 190.000) estão integrados ao Exército. As atribuições constitucionais das corporações, são basicamente as mesmas: garantir a integridade do território nacional contra inimigos externos, como também apoiar, em caso de necessidade, as forças de segurança, para a garantia da ordem interna – vide as atuações do EB e da Marinha na pacificação do Complexo do Alemão (Rio de Janeiro) e no policiamento da cidade de Salvador, recentemente. O problema é que uma boa parte dos formadores de opinião parece pensar que, no Brasil, seria esta última a principal função das Forças Armadas. Não repetirei que é um equívoco, que nenhum país tem Forças Armadas apenas em função da hipótese de guerra, etc., etc. O fato é que, desde os anos 1950, as FFAA têm sido colocadas como última prioridade nacional. A manutenção da operacionalidade é um problema cotidiano para cada uma das Forças Singulares. No EB não é diferente – apenas aparece menos. O que não significa que a Força esteja parada: temos observado, ultimamente, a aquisição, depois de mais de quarenta anos, de um novo modelo de armamento de infantaria; um novo veículo blindado sobre rodas deverá, a partir de 2014, substituir os venerandos Urutus e Cascavéis. Para essas compras, os recursos já estariam previstos no orçamento da Força – se bem que… Sabe como é… Recursos sempre podem ser contingenciados. Também existem estudos em andamento para a aquisição de peças de artilharia e de sistemas de mísseis antiaéreos atualizados, mas, como de hábito, não existem recursos previstos para efetivar as aquisições. Vale apontar que a situação da artilharia antiaérea e das mais criticas – seria mais correto dizer que o país não possui defesa antiaérea alguma. Um punhado de canhões antiaéreos de 35 e 40 mm, sem sistemas de detecção antecipada nem equipamentos automatizados de pontaria (quem quiser ficar deprimido pode ler sobre o assunto aqui). Apesar de todas as premências constatadas, e de sua urgência, uma decisão vem sendo cozinhadas em banho-maria desde 2009. De fato, como no caso da Marinha e da FAB, o EB tem se virado com modernizações de equipamentos obsolescentes e compras de oportunidade.

No primeiro caso, encontra-se a decisão de assinar um contrato para a modernização do VBTP-L (“Viatura Blindada d e Transporte de Pessoal – Lagartas”) FMC M113, de origem norte-americana. Esse veículo existe em números consideráveis no inventário da Força Terrestre, na qual começou a ser introduzido em meados dos anos 1960, em função da modernização das tropas de infantaria blindada. Atualmente, as tropas de Infantaria Blindada do EB, intregradas às Brigadas de Cavalaria e Infantaria Blindadas, utilizam mais de 500 unidades dessa veterana peça de armamento (Cada BtlInfBld reúne algo em torno de 70 VBTP-L – se você estiver interessado em saber alguma coisa sobre o M113, leia aqui mesmo, no causa::).

A modernização deixará os M113 brasileiros em estado de novos, mas nada além disto – basicamente, o equipamento continuará o mesmo. A empresa anglo-norte-americana BAE Systems Land and Ordnance (que atualmente controla as empresas norte-americanas responsáveis pela fabricação e manutenção do M113) deverá executar, em conjunto com o Exército e em território brasileiro, a modernização de um lote inicial de 150 unidades do blindado, embora seja prevista a extensão do processo para até 400 deles.

A decisão de modernizar os M113 do EB é polêmica, mas tem sido considerada razoável, visto que essa viatura ainda é utilizada em grandes números, por diversos exércitos, e a BAE Systems fornece um “kit” de modernização bastante procurado, que é basicamente o objeto do contrato assinado entre o governo brasileiro e o governo norte-americano, através do programa FMS (Foreign Military Sales). As críticas à adoção da solução pelo Brasil partem do pressuposto de que o M113 é um sistema obsolescente, o que não é totalmente verdadeiro. Mas ainda que fosse, as funções cumpridas por esse equipamento, no âmbito da doutrina de combate blindado do EB não o poderiam ser pelos VBTP-MR (“Viatura Blindada de Transporte de Pessoal – Média sobre Rodas”) existentes, tais como o Engesa EE11 “Urutu” e o futuro Iveco “Guarani”. A questão é que, segundo alguns especialistas, o EB deveria levantar a possibilidade de incorporar um verdadeiro “Veículo de Combate de Infantaria” (em inglês, IFV, Infantry Fighting Vehicle, “Veículo de Combate de Infantaria”) equipamento que nunca fez parte do inventário nacional. Trata-se de um veículo capaz de transportar uma esquadra de infantaria, mas equipado com armas capazes de apoiar a tropa no momento do desembarque, ou de suportar a tropa lutando a partir de seu interior. Por sinal, é bom que se diga logo que o termo de comparação para esses veículos não é o M113, cuja categoria é a dos APC (sigla de Armored Personnel Carrier, “Transportador Blindado de Pessoal”). A estrutura deste não permite a montagem dos sistemas de armas necessários, geralmente instalados em torres com capacidade de conteira de 360 graus e auto estabilização – algo do tipo do BMP3 (Sigla de Boyevaya Mashina Pyekhota – “Viatura de Combate de Infantaria”) de origem russa e do lado norte-americano, a série M2 Bradley IFV. São ambos VTBP-L que podem conduzir até oito infantes, além dos dois ou três tripulantes. O BMP3 pode receber uma gama de armamento cujo padrão é um canhão automático 2A72 de 30 mm, com 550 cargas de munição e uma cadência de tiro de 350 salvas por minuto, e uma metralhadora PKT (utiliza o cartucho 7,62X54 mm), mas pode incorporar um canhão multifunção 2A70 de 100 mm, capaz de utilizar munição convencional ou um míssil anticarro 9M117 (Stabber, no jargão da OTAN). Já o Bradley é equipado com o canhão automático M242 de 25 mm, de cano simples, com cadência de fogo de até 800 salvas por minuto; transporta também uma metralhadora M240C (utiliza o cartucho 7,62X51 mm), e também pode receber uma gama de mísseis anticarro e lançadores múltiplos de foguetes não guiados.

Esse tipo de veículo corresponde a uma doutrina que não é totalmente desconhecida pelo EB, na qual os infantes atuam em conjunto com forças blindadas apoiadas por fortes elementos aéreos, constituídos por helicópteros e caças táticos capazes de apoio aproximado de precisão (como o A10 Warthog e o SU25 Frogfoot). Já a Cavalaria Mecanizada tem por função explorar os flancos do adversário, região que, numa ação de combate, torna-se mais vulnerável, visto que o adversário é obrigado a concentrar suas forças para dar consistência à defesa.

Os veículos sobre rodas, os tais VBTP-MR, são ideais para tal tipo de atividade, em função da velocidade e manobrabilidade. Por outro lado, não são muito adequados como plataformas para armamento mais pesado, em função da estabilidade do tiro: o recuo provocado pelo disparo da peça é descarregado para a estrutura do carro, e então para o solo. Decorre daí que um sistema sobre esteiras provém maior superfície de contato, apoiada em uma suspensão mais estável. Um sistema giroestabilizado elétrico permite que o disparo seja feito com o carro em movimento, já que o balanço da plataforma é compensado, mantendo a torre estável. Em veículos sobre rodas, é possível instalar esses equipamentos, embora o processo seja mais complicado.

Ainda nos annos 1980, o EB chegou a experimentar uma versão do EE11 que se adequaria à função. Isto foi feito por meio da incorporação de uma torre Engesa MK 3, montando a versão nacional do canhão belga Cockerill de 90 mm. A adaptação não funcionou muito bem, visto que a torre não era estabilizada, o veículo não oferecia uma plataforma estável para o tiro e tudo isso o impedia de disparar em movimento. A coisa não poderia ter dado certo, pois o sistema de armas tinha sido simplesmente transposto do VBR (“Veículo Blindado de Reconhecimento”) EE9 “Cascavel”, cuja função era (e ainda é) compor elementos de reconhecimento das unidades de cavalaria mecanizada. A função primordial desse equipamento, concebido pelo Exército no início dos anos 1970 e aperfeiçoado pela extinta Engesa S.A., não seria o combate, e seu armamento destina-se basicamente a prover defesa eventual para os elementos de reconhecimento mecanizado, bem como explorar brechas encontradas nas linhas inimigas, até a chegada de forças blindadas. Desde então, o EB não incorporou novas viaturas dessa catagoria.

Resumo da ópera: mesmo com a entrada em serviço, no ano que vem, do Iveco “Guarani”, este não será substituto para os M113, que continuarão como equipamento básico dos Batalhões de Infantaria Blindada. Estes, junto com os Regimentos de Carros de Combate e os Grupos de Artilharia Autopropulsada, formam a estrutura das duas unidades blindadas do EB: a 5ª Brigada de Cavalaria Blindada e 6ª Brigada de Infantaria Blindada, grandes unidades de alto poder de choque, sediadas, respectivamente, no Paraná e Rio Grande do Sul. Por outro lado, tem sido dito que o “Guarani” poderá, no futuro, apresentar uma versão de oito rodas, montando um canhão de 105 mm. Mas, até agora, é só especulação. Quem viver, talvez veja::

Anúncios

3 pensamentos sobre “Algumas reflexões sobre o Exército Brasileiro::Sobre equipamentos e modernizações::

  1. Bitt, quem sou eu para pautá-lo, mas há um assunto inescapável para uma análise sua, o cancelamento da concorrência da USAF na qual o AT-29 sagrou-se vencedor. Decididamente a canalhice e a politicagem não são exclusivas dos governos brasileiros. Mas com os americanos é mais revoltante porque ele se acham o máximo. Compras de armas nos EUA? Nem um único cartucho 5.56! Eles não são confiáveis.

    Abração!

  2. Bitt:

    Não sei se você concorda mas, o Brasil precisa rearmar a população decente (todo aquele que serviu às FA deveria ter direito ao porte de arma automaticamente).

    Em segundo lugar, o Brasil precisa reaparelhar a Força Aérea, daria preferência a uns 40 Su-34 bem armados com mísseis Moskit.

    Isso mais os Rafale que estão pra vir e o que nós já temos em mãos faria o pessoal pensar antes de entrar numa briga (que está próxima, muito próxima).

    De boa.

    🙂

  3. Mas Bitt, esse tipo de veículo não poderia ser armado com mísseis no lugar de canhões pesados? Um komet ou o futuro MSS da Mectron, apesar do custo me parecem armas antitanque mais eficazes que um canhão, ainda mais para um veículo como o Guarani.

    Outro aspecto que acho que valeria investir seriam os helicópteros, a aviação do exército está em expansão, mas basicamente estamos limitados aos helicópteros de projeto civil adaptados para uso militar. Vamos ganhar em mobilidade com os EC-725 mas creio que o EB ainda está carente de helicópteros de ataque, lembrando que os Mil-Mi-35 são do inventário da FAB. Imagino que helicópteros seriam a espinha dorsal das unidades do EB na amazônia e pantanal, devido ao tipo de terreno.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s