Algumas reflexões sobre o Exército Brasileiro::Direto a um tema polêmico::

O último post, ao que parece, deve ter provocado muitas reflexões em algumas pessoas, visto que o número de acessos ao blogue das boas causas aumentou de forma surpreendente. Posso então supor que  o tema deve ter tido alguma ressonância entre os leitores interessados nos assuntos abordados por aqui. Temas polêmicos sempre têm.

Exércitos estão entre as instituições das quais as nações mais se orgulham. Pergunte a um norte-americano o que ele acha dos “homens que os protegem” (boa parte da população civil dos EUA referem-se assim aos homens das fileiras); pergunte a um russo o que pensa do Exército Vermelho – “por eles , eles que nos salvaram”, disse certa vez o compositor Dmitri Shostakovich, quando lhe perguntaram porque compôs a Sinfonia Leningrado. Poderíamos continuar relacionando exemplos, e, quando chegar a vez do Brasil, não será diferente. Os brasileiros orgulham-se de seu Exército. Afinal, sempre que necessário, a instituição não fugiu à luta – exatamente como diz o Hino Nacional.

O que não implica que a instituição não tenha cometido erros, em sua longa trajetória. Os cometeu. Não foram poucos e, muitas vezes, não foram pequenos. Examiná-los é tarefa complicada, tanto para o militar quanto para o civil. Assim como os acertos também os erros só podem ser examinados tendo o contexto histórico como pano de fundo. O problema é que, para o exame de certos fatos, é preciso que o tempo crie certa distância entre o calor da hora e o presente. E certos fatos exigem distância muito maior – e difícil de percorrer.

Existe uma explicação razoavelmente simples para essa relatividade da distância e do espaço de tempo. Para começo de conversa, sejamos claros: estamos falando sobre o golpe militar de 1964. Quando se tenta refletir sobre fatos como os que se desenrolaram a partir de então, a reflexão envolve múltiplas dimensões, todas subordinadas a três, mais amplas: a política, a ideológica e a militar.

As duas primeiras são fáceis de entender, por mais que se observem discordâncias sobre a natureza delas com relação aos fatos examinados. Mas a terceira… Provavelmente muita gente discordará, com argumentos desdobrados a partir da idéia de que aqueles fatos não são de natureza militar, visto que não havia uma guerra. Historiadores, sociólogos, cientistas políticos, militares profissionais e outros membros da sociedade civil podem levantar diversos aspectos dessa questão. A este blogue, somente importa um desses muitos aspectos: houve ou não houve uma guerra?

Os militares são os primeiros a afirmar que sim – não uma guerra convencional, mas de outra natureza, a “guerra revolucionária”. O problema é que se trata de uma guerra travada entre fantasmagorias –aquelas plantadas pela ascensão das utopias do século 20 e outras, criadas pela reação às utopias. Em certos momentos, essas fantasmagorias criaram guerras muito reais, e levaram o mundo à beira do abismo. Em outros momentos, as guerras eram reais, mas menores. E em diversos momentos, foram guerras travadas de modo subterrâneo – muito reais, embora menos destrutivas. Nessas guerras não se usou armamento pesado, não houve bombardeios nem enfrentamentos entre exércitos. Ainda assim, algumas provocaram tantos mortos quanto uma guerra de verdade, e deixaram seqüelas tão profundas quanto as guerras de verdade.

Talvez até mais profundas, mas não impossíveis de serem aplainadas. Profundas porque muitas dessas guerras foram travadas dentro de países, entre grupos cujos projetos para a sociedade foram, em dado momento, irreconciliáveis. Nessas condições a ideologia assume o caráter de motor dos atos. O que está em disputa, tanto quanto nas guerras de verdade, é o futuro. E a guerra, mesmo subterrânea, se torna uma guerra total. A única vitória possível é a aniquilação do adversário – militar, política e mesmo física.

Os governos militares que se abriram em 1964 persistiram por duas décadas, até 1985. Durante pelo menos dez anos, os militares enxergavam-se numa dessas guerras, travada para “salvar o Brasil e seus valores” contra o ataque de uma “ideologia exótica”. A “pré-guerra” vinha desde os meados dos anos 1950, crise política após crise política. Em primeiro lugar, havia o fato de que, na visão dos militares, em particular, a Nação tinha de ser salva de si mesma. Em 1956, um pequeno grupo de oficiais da Força Aérea rebelou-se, num movimento quixotesto que beirava o ridículo, contra … o grupo que nunca teve o direito de [governar o país], como ficou cabalmente provado pela sua conduta à frente dos destinos da Nação, e que, aliás, foi a causa de sua queda. Era lógico, portanto, que não nos conformássemos com sua volta ao poder. A declaração, emitida por um tenente-coronel, tentava explicar um grave ato de insubordinação como motivado pela eleição de um grupo político impatriótico e oportunista, liderado pelo presidente eleito Juscelino Kubistchek de Oliveira. Os motivos alegados então eram os mesmos que continuam a ser alegados por parte dos militares e também dos civis – “o povo não sabe votar”, “não está preparado para a democracia”.

Kubistchek não era comunista, assim como não era seu sucessor, Jânio Quadros. O que não impediu que este último deflagrasse a “grande crise” – a amalucada renúncia de 1961. Já o vice de Jânio era outra história: os militares acreditavam que fosse pelo menos simpatizante. Em 29 de agosto de 1961, um “pronunciamento”, no melhor estilo latino americano, afirmava, em seu manifesto que…  João Goulart, quando Ministro do Trabalho, já demonstrava, claramente, sua tendência ideológica, ao encorajar e mesmo promover constante e sucessiva agitação na área sindical, com claros objetivos políticos que, na realidade, eram contra os interesses das classes trabalhadoras. Era também comprovada a grande infiltração de conhecidos agentes do Comunismo internacional, bem como de numerosos elementos esquerdistas, em vários setores do Ministério do Trabalho, inclusive em funções importantes na sua administração e nos sindicatos. Goulart era apenas um líder vacilante, cujo mandato foi marcado pela abertura um tanto desordenada às organizações da sociedade civil: estudantes, organização populares e de trabalhadores ganharam espaço, no contexto de uma situação internacional de confronto. Um presidente oportunista, outro louco e um terceiro fraco fizeram aquilo que os militares tanto temiam: transformaram o país em um dos campos de batalha da guerra global que se travava. Interesses estrangeiros queriam impor ao Brasil. Seus agentes constituíam um exército, disciplinado, bem treinado, disposto para a luta – e infiltrado. É preciso lembrar? O mundo vivia o auge da Guerra Fria. O golpe militar de 1964, que seu perpetradores inicialmente chamaram de “revolução” e que, em nossa época, tem sido chamado, pelos simpatizantes, de “contrarrevolução”.

Os fatos acima são de conhecimento de todo mundo que tenha um mínimo de informação sobre a história recente de nosso país. Mas é preciso citá-los como forma de voltar a questão que proponho que seja discutida: se é que teve algum, qual o valor militar da “guerra” travada a partir de 1964? Já levantamos dois pontos que podem ser trazidos a esta reflexão: se é que havia uma “guerra”, ela se travava no contexto de uma guerra maior, global (um) e (dois) o conceito atualmente adotado pelos simpatizantes do golpe de 1964, “contrarrevolução”, parece inserido em uma tentativa de dar legimidade militar ao ato de quebra da legalidade. Na medida em que sucessivos governos eleitos estavam tornando o país campo de batalha para as “forças inimigas”, a intervenção militar pode ser vista como forma de negar ao adversário o uso do terreno e da infra estrutura nele localizada – ou seja, uma ação militar transposta para o campo da política. Nesta visão, o golpe pode ser inserido numa sequência de manobras destinadas a tirar do adversário a vantagem estratégica.

A questão é que essa manobra tem lugar no contexto de uma “guerra irregular”, uma outra forma de guerra. Conforme a análise do general alemão ocidental von der Heydte, recuperada por um analista de extrema-direita contemporânea… A guerra irregular é não-convencional por natureza. É a guerra promovida fora dos quadros das “convenções“, na qual “leis e normas” criadas para a guerra ‘convencional’ não são aplicáveis ou só são aplicáveis a um nível periférico.

Ou seja, os atos dos agentes envolvidos na “guerra” se justificam visto que as “convenções”, os chamados “usos e costumes da guerra entre nações” não são aplicáveis numa “guerra irregular”. Não é uma guerra entre grandes unidades formais, mas entre pequenas frações, com alto grau de iniciativa. Ainda segundo o mesmo Von der Heydte… A guerra irregular é normalmente concebida como o conflito armado, no qual as partes não constituem grandes unidades, mas pequenos e muito pequenos grupos de ação, e cujo desfecho não é decidido em poucas e grandes batalhas; ao contrário, a decisão é buscada e afinal concretizada através de um número muito grande de pequenas operações individuais, roubos, atos, de terrorismo e sabotagem, bombardeios e incursões.

Ao que parece, o texto de von der Heydte serve como uma luva para justificar a atuação de agentes que estariam, no lado das forças do Estado, em posições intermediárias da cadeia de comando. O “inimigo” atua em pequenas frações, com alto grau de iniciativa, buscando a vantagem através de ações tipo “golpe de mão” (roubo, sabotagem, etc.), e são capazes de se ocultar no meio da população civil. Ou seja, pratica uma espécie de guerra de guerrilhas seja no ambiente urbano, seja no rural. Essa nova forma de guerra torna os procedimentos militares convencionais inúteis ou, para além, passíveis de releitura. É preciso que o “lado de cá” seja liberado do formalismo das guerras convencionais e do corolário de regras daí decorrente. Neste ponto justificam-se todos os atos de exceção, desde a suspensão das liberdades democráticas até a existência de agentes cuja liberdade de ação por vezes fazia supor que não estivessem submetidos a nenhuma cadeia de comando.

A existência desses agentes é também explicável pelo fato de que, se a guerra é não convencional, os métodos também tem de ser, de modo a aumentar a velocidade da reação. Segundo um analista, em artigo recenteNessas circunstancias, torturar para obter informações voltou a ser uma opcâo tentadora. E as grandes democracias ocidentais, as mesmas que promoveram o Julgamento de Nuremberg, caíram nos anos seguintes a Segunda Guerra Mundial, uma a uma, na mesma tentação de empregar métodos pelos quais condenaram os vencidos da véspera:os franceses na Indochina e na Argélia, os ingleses na Irlanda do Norte, os norte-americanos no Vietnã,e assim por diante.

O problema é que a “guerra” um dia acaba. Não sendo uma guerra convencional, parece que as normas aplicáveis às guerras convencionais em torno de vencedores e vencidos também não se aplicam. Afinal, foi uma guerra travada sob a superfície, com o Estado e seus agentes negando qualquer situação de exceção. Mas sempre acaba chegando o momento em que as regras mandadas para o espaço cobram seu preço.

A “paz” é conquistada pela submissão do inimigo. Só que, no caso, este não pode ser claramente declarado inimigo e os atos do Estado e de seus agentes passam a ser vistos como moralmente condenáveis ou, no limite, criminosos. Quando a “paz” volta, não há como purificar atos abomináveis apresentando-os como da ordem da situação de exceção que é uma guerra convencional.

Por exemplo: durante muitos anos, a vasta literatura que, no Ocidente, esmiuçou todos os detalhes da 2ª GM apresentava atrocidades contra civis e militares como existentes apenas do lado dos nazistas. Mais recentemente, a literatura especializada começou a apresentar situações em que atrocidades de toda ordem recaiam sobre militares ingleses e norte americanos. Tal literatura possibilita ao leitor um julgamento pessoal, apresentando-as como atos decorrentes da situação de guerra, ainda que moralmente condenáveis. Assim, massacres de prisioneiros, morte de civis colhidos entre dois fogos, o arrasamento desnecessário de cidades e mesmo da zona rural, no ETO (sigla em inglês de “Teatro Europeu de Operações”), inicialmente omitidos ou negados, foram sendo levantados ao longo da revisão das análises das operações, principalmente a partir da emergência de uma nova história militar, na Europa e nos EUA. Com o Vietnã foi mais ou menos a mesma coisa, uma revisão apressada pelo fato de que aquela campanha, que chegou a envolver seiscentos mil militares norte-americanos (calcula-se que dois e meio milhões de efetivos tenham estado envolvidos diretamente na guerra, entre 1961 e 1973), era vista como guerra injusta por boa parte da sociedade norte-americana. A revisão em ambos os casos, permitiu separar as ações militares das ações questionáveis e, curiosamente, até mesmo encontrar o valor das ações da Wehrmacht. É curioso como as publicações, hoje em dia, omitem o fato de que as Forças Armadas alemãs foram levadas ao banco dos réus, em Nuremberg…

Porque os militares brasileiros, então, não juntam forças com especialistas treinados para tentar uma revisão da “guerra não convencional” brasileira? Se houve uma guerra, então, que se admita claramente que foi uma guerra, na qual brasileiros “colocaram a própria vida em risco no combate ao terrorismo e à subversão”, como disse, certa vez, o general de exército Leônidas Pires Gonçalves, ministro do Exército no governo Sarney. Segundo os militares, por volta de cem brasileiros morreram em ações promovidas pelo “outro lado”, inclusive um “soldado inocente” (???).

Nunca houve tal proposta, nem por parte das áreas de história das FFAA, nem por parte de especialistas universitários vacilantemente simpáticos ao regime militar (com exceção de Olavo de Carvalho, não lembro de nenhum intelectual que se declare abertamente simpático à Redentora, mesmo durante as palestras feitas no Clube Militar…). Certamente um especialista poderia facilmente dar um nó de marinheiro – ou até algum mais complicado – em pingo d´água, com base nos escritos teóricos que, desde os anos 1950, procuram conceituar a tal “guerra não convencional”.

Seria, sem dúvida, uma experiência interessante. Mas o que se vê, de fato, são os chefes militares tentando negar os fatos. Durante os anos 1990, entrevistas com oficiais-generais das FFAA, promovidas por um projeto de documentação do Centro de Pesquisa e Documentação de História Contemporânea do Brasil (CPDOC) da Fundação Getúlio Vargas, abriu o que teria sido uma “oportunidade de ouro” em fazer aquilo que um dos antigos chefes do CIE (Centro de Informações do Exército, junto com a EsNI – Escola Nacional de Informações – o mais ativo sanctu-sanctorum da “guerra não convencional”, dentro da Força Terrestre), general de divisão Agnaldo Del Nero Augusto, viria a propor, em 2001. Disse o general, em entrevista publicada na imprensa: Em toda ação de guerra, e eu acho que a Revolução errou muito por não ter expressado à população que vivíamos um estado de guerra, acontecem injustiças. Basta olhar, hoje, o Afeganistão. É possível se ter atingido inocentes, agora, existiam stalinistas, marxistas-leninistas, maoístas, fidelistas… Entretanto, aqueles que foram comandantes na “guerra” falaram sobre a luta, sobre os dissabores, sobre o “sacrifício”, mas sobre as ações subterrâneas, nada. Um dos entrevistados, general de brigada Adyr Fiuza de Castro, primeiro comandante do CIE, em 1967, chegou a chutar o balde, segundo um dos artigos que consultei: Guerra e guerra. […] Agora, não sou um homem mau, não me considero um homem mau. Mas não sou contra a tortura. Acho que ela e válida em certas circunstâncias – para adquirir informações. […] E todo mundo acha. Desde os esquimós até a China, todo mundo usa, quando necessário.

É mais ou menos o que achava o general de exército Jacques Massu, quando admitiu que a prática seria bastante comum, embora “não difundida nem institucionalizada”, durante a guerra colonial francesa na Argélia, da qual foi o comandante. De fato, a única justificativa que os militares parecem admitir para a tortura é a “obtenção de informações”. Entretanto, admitir a tortura seria o primeiro passo para admitir que o objetivo buscado pela corporação foi mesmo a eliminação, pura e simples, do adversário – fato que, apesar das “injustiças” do general Del Nero, dificilmente é admitido como objetivo aceitável para uma guerra.

Outro ponto que provavelmente teria de ser discutido é o que mostra que virtualmente todas as operações, mesmo as que poderiam ser vagamente admitidas como “campanhas militares” (por exemplo, a “guerrilha do Araguaia”), começaram, foram levadas e se concluíram com tortura e eliminação de adversários. Existe valor militar possível em operações assim? Podem ser erguidos monumentos aos vencedores de tais operações? Dificilmente. A honra militar admite enganos no calor do combate, como a execução sumária de civis franceses inocentes, confundidos com colaboradores por norte americanos e canadenses. Mas dificilmente pode admitir o assassinato premeditado de combatentes “do outro lado”, se este qual lado for. Ainda que a eliminação seja o destino do vencido, esta não pode ser posta claramente.

Ficou claro então que dificilmente poderá um especialista extrair valor militar da “guerra não convencional” brasileira sem uma operação revisionista de consequências imprevisíveis. Numa coisa estão certos os antigos chefes – as FFAA perderam a “guerra da memória”, embora esses chefes se vejam como “vencedores” da guerra de fato. Ações como a do famigerado “Orvil” (“livro”, escrito ao contrário, projeto engendrado pelo general Leônidas Pires Gonçalves), que pretenderam “desmistificar” as ações dos “subversivos” não deram em nada por tentar a tática, de difícil execução, de “culpar a vítima” (ou, diria eu, no caso, o “vencido”, que acaba responsável pela própria morte), sem admitir quais seriam, afinal as responsabilidades dos militares – ou melhor, de antemão negando todas.

Existem mais alguns tópicos a comentar, mas acho que este post está… muito longo. Não quero ser acusado de torturador…::

Drops para o fim de semana::Blindados: a boa idéia desprezada pelos criadores::

Vou deixar o Rafale, o Mirage 2000-9 um pouco pra lá. Isto porque descobri, meio por acaso, algumas pesquisas que fiz anos atrás. Algumas não valem nada, outras podem render alguma coisa. Entre estas últimas, está o texto que resolvi submeter ao rigoroso escrutínio dos assíduos de causa:: Trata-se de um ensaio sobre as origens da arma blindada, tema que sempre me atraiu. De certa maneira, o tema guarda certa semelhança com o que tem sido discutido aqui, ultimamente: a estupidez em torno de questões militares não é apanágio dos políticos brasileiros – pode grassar até mesmo entre os militares::

O fim da Grande Guerra apontou, para todos os envolvidos, no Velho Continente, um tempo de dificuldades. Os quase cinco anos de guerra exauriram as economias dos principais envolvidos, além da enorme perda de vidas humanas. A guerra provocou um total de mais de 30 milhões de baixas, dentre as quais uns treze milhões de mortos, entre militares e civis. Um problema adicional foi os milhões de incapacitados permanentes que, no auge de suas vidas produtivas, passaram a ter de ser sustentados pelo Estado. Num cômputo geral, as economias européias recuaram aos níveis de 1913, embora Estados Unidos e outras regiões do mundo, como a Austrália, Canadá e Argentina, tivessem sido grandemente favorecidas pelas demandas criadas pela guerra.

A produção de armamentos, não é preciso dizer, cresceu exponencialmente, no período. A adaptação das indústrias e novos métodos de organização industrial – estes já vinham sendo experimentados desde o século anterior – mostraram-se muito bem sucedidos, e o resultado é que todas as nações acabaram a guerra com quantidades de armas muito além de suas necessidades para um futuro imediato. É natural, então, que a combinação entre dificuldade econômica e excesso de oferta de armas tenha restringido o aparecimento de novos tipos e, principalmente, de pedidos novos pelos governos. Isso só iria voltar a acontecer lá pelos meados da década dos 20, e, mesmo assim, de forma muito tímida. A partir do momento em que cessaram as hostilidades, as potências vencedoras trataram de desmobilizar seus gigantescos exércitos. Isso tinha de ser feito com alguma presteza visto que os governos vencedores, com exceção dos EUA, encontravam-se profundamente endividados. Assim, não é de surpreender que os projetos novos, na Grã-Bretanha, França e até dos EUA, tenham estagnado.

A Grã-Bretanha, que tinha acabado a guerra com 25 batalhões de tanques formados, rapidamente desmantelou a maioria dessas unidades, de modo que, pelo início de 1921, restavam cinco batalhões, além de algumas unidades de “carros blindados”, usadas principalmente no além-mar. É interessante observar que o supremo comandante militar britânico, Sua Majestade Jorge V, manifestou certa simpatia pela arma blindada, ao atribuir, em 1923, o título de “Real” ao Corpo de Tanques. O que não significou mais do que uma honraria simbólica, pois, aquela altura, o Gabinete Militar não parecia nada simpático aos blindados.

Por outro lado, os blindados tornaram-se uma verdadeira moda, entre militares do mundo inteiro, tanto em países que estiveram envolvidos no conflito, quanto naqueles que o tivessem apenas observado. Os “apóstolos da arma blindada” também surgiram em grande quantidade. Entretanto eram, em geral, oficiais de escalão intermediário, que pouca ou nenhuma capacidade de influência tinham sobre as instituições militares de seus países. Foi exatamente o caso do coronel (depois general) Sir John Fuller. Envolvido com o planejamento e treinamento dos oficiais de Estado-maior da Força Expedicionária Britânica, Fuller esteve sempre muito interessado nos meios mecânicos na guerra moderna. Embora visse os tanques, inicialmente, com certa desconfiança, ele acabou percebendo, por volta de 1916, que o problema não estava na arma, mas no emprego que era feito dela. Passou a afirmar que seu uso deveria ser feito apenas onde o terreno e as condições táticas se mostrassem perfeitamente apropriados. Fuller idealizou, por volta de meados de 1918, um complicado e multifacetado projeto para uma ofensiva blindada de grandes proporções, que deveria resultar em diversos pontos de penetração nas defesas alemãs. Atuando em velocidade, as pontas-de-lança blindadas produziriam o colapso nas linhas de comunicação e suprimentos que atravessavam a retaguarda inimiga, provocando a desagregação da estrutura de comando alemã. A idéia – bastante original – era atacar os alemães rápida e decisivamente, desarticulando sua infraestrutura militar – quartéis-generais, organização de apoio e logística – antes que pudessem se reorganizar e seguir combatendo. Mas, por outro lado, o projeto de Fuller envolvia diversos problemas, inclusive o fato de ter sido engendrado prevendo a utilização de modelos de tanque que, naquele momento, ainda estavam em fase de projeto, os “Médio C”, um modelo bastante convencional,  e “Médio D”, que poderia ter sido um veículo revolucionário. Projetado por um oficial do Real Corpo de Engenheiros, pesava cerca de 19 toneladas, tinha uma capacidade de cruzar trincheiras maior do que a dos tanques pesados, era extremamente manobrável graças à uma motorização até então não proposta para carros daquele tamanho e chegava a atingir, em terreno plano ou estrada, 33 km/h. Embora o armamento proposto fossem três metralhadoras Hotchkiss, uma versão “macho”, com um canhão de seis libras de cano encurtado chegou a ser ventilada. Mas o “D” apresentou problemas durante o projeto, devido a inovações mecânicas mal dimensionadas (como o sistema de esteiras e a suspensão), que acabaram por atrasar o surgimento de um protótipo. Fuller ficou muito impressionado com a concepção do veículo, e ainda tentou influenciar para que a etapa de produção fosse acelerada, mas aquela altura, o comando do exército resolveu bater o martelo pelo “Médio C”, que tinha mais chances de estar disponível na primavera de 1919. O fim da guerra e as dificuldades financeiras exterminaram com ambos.

Já o plano de Fuller, foi exterminado bem antes: desenvolvido e apresentado, em meados de 1918, ao comandante-em-chefe britânico sir Douglas Haig e ao comandante das tropas aliadas, o marechal francês Foch, com o nome de “Plano 1919”, o projeto resultou imediatamente em forte controvérsia. Haig chegou a caracteriza-lo como “lixo teórico”, no que foi seguido, com maior ou menor veemência, por diversos comandantes britânicos. Poucos foram favoráveis, e, ainda assim, com reservas. Curiosamente, os franceses encararam o “Plano 1919” com simpatia. De qualquer forma, a guerra acabou antes que se pudesse ter chegado a alguma conclusão, mas Fuller ficou profundamente decepcionado com o pouco interesse suscitado por seu projeto. Após a guerra, o então coronel – depois general – continuou envolvido com o pensamento doutrinário das nascentes forças blindadas britânicas, o que acabou por torna-lo profundamente desanimado com a atitude reinante no exército britânico em torno do uso dos blindados.

Os franceses também tinham seus entusiastas de tanques, mas numa direção diferente. O grande pensador francês dos blindados, durante a guerra, foi o tenente-coronel Jean Baptiste Eugene Estienne, originalmente um artilheiro com formação em engenharia. Este oficial fortemente intelectualizado (publicou artigos sobre matemática na Academia Francesa das Ciências e ministrou aulas na escola de estado maior, onde teorizou sobre o emprego de fogos indiretos) no início da guerra estava interessado em prover proteção para a artilharia, e acabou se envolvendo com o projeto do pequeno  Renault FT17.

Embora Estienne tivesse sido um dos apoiadores da opção francesa por tanques leves, não foi responsável por ela. Essa foi determinada, em grande medida, pela escassez de materiais, que já começava a ser sentida em 1916. Daí o sucesso do FT (Faible Tonnage, algo como “pouco peso”), produto barato cuja produção era simples, mas que  também apresentava problemas quanto ao emprego: não era propriamente um “rompedor”, capaz de abrir brechas na linha adversária – paepl que acabava mesmo reservado às formações de infantaria. Ainda assim, a superioridade do FT diante dos outros modelos disponíveis para os francese consolidou a opção doutrinária pela dispersão dos carros em meio às formações de infantaria. Essa opção iria provocar intensos debates após a guerra.

A idéia do tanque leve lançada pelos franceses acabou fazendo da França o maior produtor de blindados da guerra. Este dado é fundamental, pois, terminado o conflito, tendo um estoque de mais de 2500 unidades, a França tornou-se o principal fornecedor de tanques do mundo, e a maioria dos países menores adquiriu seus primeiros blindados direto dos estoques franceses. Por sinal, os primeiros blindados em serviço no Exército Brasileiro foram doze FT17, entregues em 1921. O FT17 se difundiu de tal maneira que, por incrível que pareça, no final dos anos 80 ainda podiam ser encontrados “na ativa”. Basta dizer que haviam pelo menos cem deles distribuídos às tropas alemãs na Normandia, em 6 de junho de 1944.

Quanto aos norte-americanos, a quarta das grandes potências industriais envolvidas na guerra, sua intervenção no conflito e atitude diante da nova arma merece alguns comentários mais atentos. A decisão dos EUA em intervir diretamente na guerra, com o envio de tropas ao teatro europeu, coincidiu com o impasse estratégico aberto pela retirada da Rússia, em 1917. Mas suas forças eram, no início do ano de 1918, bastante pequenas, e isso não mudaria até o mês de agosto seguinte, quando, finalmente, o fluxo de tropas americanas alcançou um nível que passou a faze-las pesar na balança estratégica. Ainda assim, os soldados dos Estados Unidos estavam equipados com uma miscelânea de armamento europeu – francês e britânico – cedido ou fabricado sob licença: canhões 75 mm TR franceses, tanques Modelo IV e V, britânicos, tanques leves Renault, aviões franceses e ingleses. De fato, a enorme potência industrial americana já fabricava, em 1916, enormes quantidades de armamento leve, munições e outros bens necessários ao esforço de guerra europeu, mas levaria tempo até que esse potencial econômico se traduzisse em eficiência militar. Quanto à organização e as doutrinas, os americanos seguiam ingleses e franceses, e as escolas de treinamento da Força Expedicionária Americana não diferiam e nem faziam nada diferente das que tinham sido tomadas como modelo. Assim, ao fim da guerra, os EUA tinham uma espécie de emulação do Real Corpo de Tanques britânico, e regimentos de carros de combate copiados do modelo francês que, inclusive, serviu de base para a implantação, na França, da primeira escola de tanques do Exército dos EUA. Depois da guerra, os norte-americanos também seguiram os europeus: a rápida desmobilização do milhão e meio de homens enviados às frentes de combate deixou sem uso enorme quantidade de itens militares. O estudo das doutrinas inglesa e francesa, sobre o uso de veículos à motor entrou numa espécie de “banho-maria”, desde que, em 1920, foi determinado que o uso de blindados fosse colocado a reboque das táticas de infantaria. Alguns dos modelos projetados desde então eram curiosamente semelhantes ao FT francês, com grande ênfase colocada na velocidade e na manobrabilidade.

A idéia, entretanto, continuou avançando, pelo menos no que diz respeito à teoria. Além de Fuller, um dos mais entusiasmados defensores do uso de tanques era o capitão Basil Liddell-Hart, cujas teorias envolviam o uso de ataques coordenados de grandes grupos de tanques, como forma de paralisar o inimigo. Liddell-Hart foi talvez o mais prolífico analista e escritor militar britânico do século 20. Suas principais formulações teóricas, sobre estratégia, tática e doutrina militar surgiram entre 1925 e 1939, período em que se dedicou ao jornalismo e à atividades de pesquisa acadêmica. Por volta de 1940, fez publicar um volume em que, baseado num monumental estudo de história, defendia a “abordagem indireta da estratégia”, uma forma de, através da ação periférica, desgastar o adversário nas áreas em que fosse mais vulnerável, de forma a poupar os próprios recursos, principalmente os militares.

Os escritos de Liddell-Hart eram conceituais, baseados em amplo e erudito conhecimento da teoria e história militar, e tiveram forte influência sobre a oficialidade combatente. Embora tenha dado baixa do exército em 1924, por invalidez, continuou a ser um influente pensador militar e defensor entusiasmado das forças blindadas. Falava na aplicação, por forças mecanizadas sob comando unificado, de golpes decisivos, em série, contra um mesmo ponto, de preferência o mais próximo possível das posições centrais do inimigo. Essas forças deveriam ser compostas por blindados, infantaria motorizada, de preferência transportada em veículos protegidos, e aviões. Liddell-Hart chegava mesmo a afirmar que os tanques poderiam restaurar, no século 20, a idéia mongol de mobilidade extrema – a cavalaria mongol fora o principal instrumento de conquista desse povo asiático. Sobretudo, pensava que a mobilidade poderia evitar a repetição futura dos massacres da guerra de trincheiras.

No Alto Comando, a coisa foi diferente – o descaso e mesmo a zombaria em torno de Liddell-Hart e suas idéias eram constantes. Segundo alguns de seus colegas, seriam idéias típicas de um oficial sem “aptidões esportivas” (a carreira militar dele tinha praticamente acabado, em 1918, devido a ferimentos provocados por gás). Ainda assim, quando testadas em campo, se mostravam bastante eficientes. Entre os generais, a tendência era achar que o tanque não teria como enfrentar canhões anti-tanque de grosso calibre, bem posicionados e operados. Essa era, com efeito, a idéia do Mestre-Artilheiro da Real Artilharia, general Hugh Elles, entusiasticamente esposada pelos principais oficiais-generais britânicos. Seguindo sua experiência de campanha, Elles estava seguro de que um canhão anti-tanque bem posicionado poderia pôr fora de combate qualquer tipo de tanque, e, com base nisso, era contra aumentar a blindagem dos veículos. Essa idéia teria consequências de longo prazo, pois os britânicos, pressionados por dificuldades econômicas, investiram em veículos leves, em torno de armamentos de calibre relativamente baixo.

A forte propaganda de Liddell-Hart em favor da mobilidade e do “princípio mongol” continuou, entretanto, com energia crescente. Mesmo fora do exército, o ex-capitão já era visto como o principal pensador militar da Grã-Bretanha. A pressão dos entusiastas dos blindados teve algum resultado em 1927, quando o Alto-Comando determinou a formação da “Força Mecanizada Experimental”. Tratava-se essa de uma pequena tropa, dotada de 120 veículos, dos quais apenas meia centena eram tanques médios Vickers, o “Médio Modelo II”. Desenhado a partir de um requerimento feito pelo exército no início dos anos 1920, foi a primeira máquina desenhada após a guerra, e guardava certa continuidade com os “tanques de cavalaria” projetados durante a guerra, os Whippet. Pesando cerca de 12 toneladas, chegava a alcançar 25 km/h, protegido por uma blindagem máxima de 12 mm. Era armado com um canhão de 3 libras (47 mm) e três metralhadoras .303, sendo que uma delas era coaxial e as outras estavam instaladas nas laterais do casco. A tripulação era composta por cinco homens.  Apesar de suas limitações, quando lançada em manobras, a FME se demonstrava muito superior as unidades organizadas de forma clássica. Ainda assim, essa unidade revolucionária teve vida curta, sendo dissolvida depois de uma bem-sucedida manobra realizada em 1928, na planície de Salisbury. É notável que tenha atraído mais a atenção de observadores estrangeiros que dos próprios britânicos: norte-americanos e alemães ficaram bastante impressionados com os resultados da FME. Os primeiros constituíram uma força similar e os últimos traduziram e divulgaram amplamente algumas publicações que descreviam a unidade inglesa.

Entretanto, ainda que os exercícios indicassem o contrário, os tanques não eram vistos como uma arma capaz de, sozinha, abrir brechas nas linhas inimigas, infringindo-lhes danos de proporções consideráveis. A hierarquia militar britânica decididamente preferia usar, em tal função, unidades de cavalaria ou “infantaria de Guardas”, no velho estilo. Muitos dos que não viam a nova arma como digna de atenção, ainda em 1928 argumentavam que, apesar dos sucessos de 1918, elementos fortemente dependentes de máquinas não eram suficientemente confiáveis em situação de combate. Muitos dos que debateram e escreveram sobre o tema, no período entreguerras, também levantavam o argumento do custo dos tanques: os cavalos eram mais baratos e confiáveis – além de muito mais atraentes em paradas::

O FX2, o Rafale e o método “Veja” de avaliar aviões::Dirimindo (outras) bobagens::

Nunca escondi que sou “rafalista juramentado e militante”. Dentre outras qualidades que vejo na aeronave francesa, uma – talvez a principal, em meu método de análise – é a beleza: ô aviaunzim bunitu, seo! Mas reconheço que, no caso de superioridade aérea, só beleza não põe mesa. Resolvi, então, dar uma olhada, sem compromisso, no que se poderia encontrar, na Internet, sobre a aeronave francesa, e se haveria alguma base na preferência, um tanto descarada, que a imprensa nacional manifesta pelo Boeing F/A18 – o único, dentre os projetos, que, em minha modesta opinião, já deveria ter sido descartado.

Não tinha maiores pretensões, e as informações, bem desencontradas, não encorajavam nada mais que isso. Aí topei com o blogue de um certo Antonio Ribeiro, correspondente da Der Ang… digo, de “Veja” em Paris. E, ao que parece, quer manter a boca de qualquer jeito. Numa postagem datada de 17 de janeiro último, o sofisticado escriba (que dedica boa parte do tempo de trabalho a encontrar lojas e restaurantes na Cidade-Luz) mete-se a “analisar” a possível “escolha final” do projeto FX2. Análise um tanto rasa, já que do avião, propriamente dito, não diz nada. Em compensação, as colocações no “estilo Veja” (inconfundível) eram pródigas: O Rafale foi anunciado três vezes, publicamente, como o preferido de quem tinha a palavra final na escolha, o ex-presidente Lula. A FAB baseada em extenso estudo técnico indica o caça sueco NG Gripen como melhor opção. O terceiro finalista F18 Hornet, fabricado pela Boeing, corre por fora. Pouco abaixo, ao referir-se à reação francesa ao adiamento estabelecido pela presidente brasileira, saia-se com esta: Natural em muitos chefes de estado, o novo estilo de comando no Palácio do Planalto, pode não ter abarcado simpatia completa em quem assistiu o jeito carnavalesco de governar nos últimos oito anos, mas muitos também cruzam os dedos para que dê certo.

Claro, é perfeitamente compreensível que os clientes da aristocracia paulista procurem ficar bem com seus patrões. Mas como, sobre o avião, neca de pitibiribas, eu já ia passando adiante, até que  notei os comentários: “quem sabe não tem alguma coisa inteligente lá?..”, pensei eu. O conteúdo – todo escrito pelo dono do blogue, assinando-se “Antonio” (nunca tinha visto blogueiro algum comentar a si mesmo) – era um conjunto espantoso de distorções e falsificações. Nenhuma das “informações” batia com as fontes técnicas que normalmente consulto, e que – admito… – não são nenhum avião (já que o assunto é este).

Resolvi então escrever um post mais sério do que de costume – o que significa, antes de mais nada, grande pra caramba e talvez mais chato do que o normal. Também farei uma coisa que não é usual em blogues (está mais pra Wikipédia): citarei as fontes que consultei. Assim, o que vocês irão ler é um conjunto editado de recortes feitos em material contido nessas fontes. Caso queiram ler os originais, a dica é a seguinte: cortem os nomes técnicos e colem nos motores de busca. Assim, quem quiser poderá ter muitas informações sobre coisas como o radar AESA do Rafale (que o cretino afirma não existir…), o sistema de contramedidas eletrônicas, considerado o mais avançado existente, e por aí vai.

Bom, a primeira fonte que pode ser consultada é uma página da Rafale International, que não diz grande coisa, mas é em português e muito boa para quem não sabe nada sobre o avião francês. Também em português, o site Plano Brasil é uma ótima fonte, visto a varredura que fazem na imprensa diária. Apesar da zona que são as caixas de comentários – que também trazem muita coisa interessante, se você tiver uma paciência de monge chinês. Muito melhor é uma reportagem publicada no site Flightglobal – foi a base de meu texto. Também vale à pena examinar o conteúdo da caixa lateral, More on this story, que apresenta uma boa seleção de notas publicadas na imprensa internacional. Vale também passar os olhos no site Defense Industry Daily, que geralmente tem textos bem esclarecedores, assim como a revista eletrônica Aviation Today, que mostra um artigo meio com cara de press-release editado, mas com diversos dados sobre os sistemas do avião. Outra fonte interessante é o site – meio esquisito, pela variedade de conteúdos – Above Top Secret. Este site reúne informações de diversas origens, e a maior parte das que utilizei estão uma matéria sobre o Rafale, muito completa, The Rafale – As good as it can get. Stealth.Supercruise.Omnirole. Outra matéria bastante interessante, consultada no ATS foi Non-American AESA radar developments. Esta tem partes meio pesadas mas traz, particulamente na página 2, informações esclarecedoras sobre o Thales RBE2. O artigo da Wikipedia (em inglês) não é grande coisa, mas permite alguma navegação até outras fontes.

Bem, é mais ou menos assim. Depois de dois dias navegando sobre o mesmo assunto, vou dar um tempo de Rafale (que, por sinal, parece ser o nome de uma rajada repentina de vento, comum na costa francesa do Mediterrâneo). Espero que esses dias contribuam para esclarecer o assunto e prevenir sobre os métodos “jornalísticos” empregados por Der Ang… quer dizer, pela “Veja”. Pensando bem… Alguém precisa ser prevenido sobre isso?..::

Diversas forças aéreas contam, atualmente, em seus inventários, com caças da chamada “geração quatro e meio”. Estas são definidas por atributos tais como sistemas fly-by-wire, alta performance e instabilidade em vôo, capacidade de operar em rede (trocando informações em tempo real com centros de controle e com outras aeronaves), capacidades multitarefa e multiarmamento. Com essas características, os tipos disponíveis no Ocidente incluem o Boeing F/A18EF Super Hornet, Dassault Rafale, Eurofighter Typhoon  e Saab Gripen NG. O Rafale o Super Hornet são também capazes de operar a partir de navios-aeródromos. Outras aeronaves que reúnem tais características são o Boeing F15E e o Lockheed Martin F16. Estas, embora não possam ser caracterizados exatamente como aeronaves da geração quatro e meio, passaram por modernizações que lhes deram capacidade multitarefa.

Os modelos da “geração quatro e meio” são caros e de operação complexa. Assim, é compreensível que, conforme a amadurece a tecnologia embarcada na forma de sistemas de armas – aviônicos, sensores e capacidades centradas em rede, aumente o preço e a competição entre os fornecedores dessas aeronaves no mercado internacional. Ainda assim, o custo inicial e o custo de serviço são bastante proibitivos. O custo inicial tem, necessariamente, de incluir motores de reserva, peças de reposição tanto para a célula de vôo quanto para aviônicos e sensores, sistemas de armas, treinamento de pilotos e pessoal de terra. A manutenção do aprestamento dos conjuntos piloto-equipamento também tem um custo alto, visto que a decolagem de uma aeronave desse tipo significa a mobilizar combustível, sistemas de apoio ao vôo, além do desgaste natural das células e sistemas.

O produto oferecido pela França é o Rafale. Essa aeronave é produzida por um consórcio denominado Rafale International, constituído pelas empresas Dassault Aviation, Safran-Snecma e Thales. Essas são as empresas principais (a Dassault lidera o projeto), mas uma série de outras associadas são encarregadas da produção de peças estruturais e componentes da aeronave, em várias plantas industriais, por toda a França. A montagem final acontece nos arredores da cidade de Bordeaux. Os projetos, que reúnem milhões de horas de pesquisa e desenvolvimento, são armazenados numa configuração redundante que utiliza um sistema de realidade virtual, aperfeiçoado pela própria Dassault, através da subsidiária Dassault Systémes, denominado Catia.

O projeto Rafale baseou-se no conceito AC-X, encomendado pelo governo francês à Dassault no final dos anos 1970. O primeiro resultado foi o Rafale A, plataforma de demonstração que fez seu primeiro vôo em 1986. Visava testar as características aerodinâmicas da aeronave, até então ainda em fase de estudos. O programa oficial da aeronave militar foi lançado em 1988, e resultaria num produto ligeiramente menor e com alguns detalhes reconcebidos, como por exemplo a empenagem vertical, as tomadas de ar dos motores e os canards. O resultado foi denominado Rafale C01 (“C” de chasseur, “caçador”, em francês), seguido pelo biposto B01 (“B” de biplace), modelos apresentados em 1991. Nesse mesmo ano, os protótipos M01 e M02, dotados de trens de pouco reforçados e ganchos de arresto foram postos à disposição da Marinha francesa. A filosofia do programa era, desde o início, aperfeiçoar uma aeronave que, a médio prazo, substituísse todos os tipos de aeronaves de combate em serviço nas forças armadas francesas, desempenhando todas as tarefas atribuídas à Força Aérea e à Marinha. Isso inclui a defesa e policiamento do espaço aéreo nacional, reconhecimento tático e estratégico, ataque ar-terra e ar-mar e dissuasão.

O primeiro Rafale “de fábrica” voou em 1998. A versão naval começou a ser entregue à Marinha em 2004. Ambas as forças empregavam, então, o padrão “F1”, de superioridade aérea. Em 2006, o padrão “F2”, “multitarefa”, começou a ser entregue à Força Aérea Francesa, e desde 2008, todos os Rafale são entregues, de fábrica, no padrão “F3”, “multitarefa aperfeiçoado”, ou “omnitarefa”. Este inclui capacidade de reconhecimento, através da integração de pods especializados, bem como capacidade para entregar armamento nuclear, através do míssil ASMP-A (Air-Sol Moyenne Portée, ou “Ar-Terra, Porte Médio”) do consórcio MBDA. As aeronaves em serviço deverão ser configuradas para o padrão “F3” no próximos anos e esse modelo do Rafale se tornará a única aeronave de combate multitarefa operada pela Força Aérea e Marinha francesas.

As forças francesas planejam incorporar 234 Rafales: 180 para a Força Aérea e 54 para a Marinha. Esses números já foram maiores, mas se reduziram em função de cortes de gastos e realocação de verbas dentro do próprio programa. Até 2016, as aeronaves convencionais e navais deverão substituir sete tipos de caças e caças táticos ainda em serviço e permanecer na ativa até pelo menos os meados da década de 2040. Os planejadores franceses imaginam adquirir, até 2030, por volta de 70 Rafales, cuja produção, na taxa atual, é de 12 unidades por ano.

A Dassault, em acordo com as forças francesas de defesa, estabeleceu que os sistemas do Rafale deverão passar por upgrades a cada dois anos, pelo menos. Está prevista para 2012 a entrada em serviço de toda uma nova geração de sensores que implicará uma nova bateria de softwares integrados; para 2020 está planejado um upgrade completo, correspondendo ao projeto, já previsto, de modernização de meia-vida da aeronave.

Desde o início do programa que lhe deu origem, o Rafale foi planejado como uma aeronave capaz de cumprir qualquer missão – tática e estratégica – de reconhecimento, assim como todas as missões de ataque, convencional ou nuclear. Essas missões têm sido testadas conforme os Rafale da Força Aérea e da Marinha são empregados operacionalmente no Afeganistão desde 2005, e mais recentemente, na Líbia. O envio de um punhado de Rafale ao teatro afegão possibilitou às forças francesas testar, em condições de combate, o leque de missões concebido para a aeronave, bem como os diversos vetores empregados em conjunto com ela. Embora as autoridades militares francesas não confirmem, correu nos meios especializados que até mesmo o míssil ASMP-A passou por testes simulando condições de emprego real. Mas os principais testes que o emprego operacional possibilitou foram os de operações centradas em rede. A variedade de equipamentos e capacidades reunidas nas forças aéreas à disposição da coalizão, bem como o ambiente de comando e controle gerado por tal variedade nas situações reais de apoio às operações terrestres, não chegaram a ser problema. Em prosseguimento a essas experiências, seis Rafale M foram empregados em um exercício combinado com a Marinha dos EUA, executando pousos e decolagens, sendo abastecidos e municiados no convés de vôo do NAeA USS “Theodore Roosevelt”.

De fato, o Rafale M é a única aeronave de combate baseada em navios-aeródromos atualmente em produção na Europa e apresenta, com os Rafale B/C da Força Aérea, 80 por cento de comunalidade. As principais diferenças são a presença de um gancho de arresto, a “navalização” do trem de aterrisagem, que foi redesenhado, o reforço longitudinal, visando aumentar a resistência da fuselagem ao estresse da decolagem e aterrissagem em convés de vôo e o tratamento de algumas áreas de modo a prevenir a corrosão. Tudo isso fez o Rafale M ficar 300 quilos mais pesado do que seu equivalente terrestre, e perder um dos pontos de fixação externos: 13, em comparação com os 14 dos modelos B/C.

A filosofia da aeronave adotou a configuração “delta sem cauda” – as enormes asas em forma de triângulo. Esta configuração, que começou a ser estudada pelos cientistas e engenheiros alemães, é considerada particularmente eficaz nas situações de vôo supersônico. Essa escolha está no centro de uma série de opções de engenharia adotadas para aumentar a agilidade da aeronave em detrimento de sua estabilidade, em todas as situações de vôo. Entretanto, a configuração “delta sem cauda”, juntamente com a adoção de canards, a melhoria no perfil das asas (particularmente dos bordos de ataque) e o aperfeiçoamento do desenho da fuselagem, possibilita dotar a aeronave de um “centro de gravidade aumentado”. Essa característica torna possível corrigir parcialmente a instabilidade aerodinâmica, abrindo a opção de juntar diferentes missões através da combinação do carregamento dos pontos externos de fixação. O “centro de gravidade aumentado” capacita os planejadores e técnicos carregar a aeronave inclusive de modo assimétrico, tanto lateralmente quanto longitudinalmente.

Esse desenho capacita a aeronave a transportar uma carga externa de armamento ou pods especializados de até 9500 quilos. Seu peso vazio é de 10300 quilos, aos quais se acrescenta a capacidade interna de combustível de 4700 litros. Seu peso máximo de decolagem é de 24500 quilos, ou seja, o Rafale é capaz de fazer decolar 140 por cento além de seu peso vazio.

Os dois grandes canards foram adotados como solução para implementar a estabilidade e a sustentação, também garantida por quarto slats (superfícies aerodinâmicas situadas nos bordos de ataque das asas de aeronaves convencionais, que as capacitam a operar com maior ângulo de ataque). Quarto elevons (superfícies de controle características da configuração delta) controlam tanto a elevação como a inclinação axial, auxiliados por quatro elevons retráteis e pelo leme, situado na empenagem vertical otimizam a combinação elevação/arrasto e reduzem a tendência ao deslizamento lateral (instabilidade) observado nas configurações “delta sem cauda”. As superficies de controle são movimentadas por sistemas hidráulicos de alta pressão, gerenciados por um sistema digital de controle de vôo (DFCS) concebido pela própria Dassault, a partir do sistema de controle de vôo analógico incorporado ao Mirage 2000. O DFCS do Rafale é capaz de mapear o envelope de vôo da aeronave possibilitando um desempenho aerodinâmico ainda mais alto que o do Mirage 2000, já considerado de altíssima qualidade. O sistema opera através de três canais independentes de troca de dados, complementados por um adicional, usado para back-up. A presença do DFCS é determinada pelas demandas de alto “g” que podem ser feitas à estrutura da aeronave, e alcançar +9.0g, com um ângulo de ataque (AoA) de até 29°, no modo de combate aéreo, e de até +5.5g alcançando 20° de AoA nos modos ar-terra e ar-terra/alta carga (chamados “ST1” e “ST2”). Nessas situações,  a posição do centro de gravidade pode ser alterada para adiante ou para trás. A aeronave continuamente “verifica” a carga que transporta, deixando ao piloto a decisão de selecionar o modo.

Contribuem também para esse desempenho a otimização dos materiais e dos métodos de construção da aeronave (coisas como uso de solda química e fusão de materiais) e a eficácia dos controles FBW (fly-by-wire – ao pé da letra, significa “vôo por cabo”). Trata-se de um conjunto de sistemas de controle eletromecânicos e hidráulicos acionados por dados gerados a partir do piloto, transmitidos por fios e assistidos por computadores, que compensam a instabilidade aerodinâmica da plataforma e ampliam a capacidade do piloto. São elementos “ativos” (por exemplo, os canards e superfícies de controle), e “passivos”, que só operam em caso de necessidade, sem a participação do piloto. Antes que aconteça a interferência, entretanto, uma série de sinais visuais e de audio alertam o piloto sobre a velocidade, condição de sustentação, posição do nariz e posição do solo. Esses sistemas também foram planejados para prevenir a possibilidade de “desorientação espacial”, fenômeno muito comum na pilotagem de aeronaves de alto desempenho. Incluem também a “operação descuidada” e a “perda automática do controle/proteção contra sobrecarga estrutural”, modos previstos pelo sistema DFCS, que previnem erros de pilotagem, naturais na ambiência altamente estressante de uma missão de combate.

Esse amplo leque de opções é sustentado pela potência e confiabilidade dos dois turbojatos Safran/Snecma M88-2E4. São propulsores que incorporam diversas inovações tecnológicas e uso de novos materiais (como por exemplo, cristais industriais) que lhes possibilitam alto desempenho, consumo relativamente baixo e desgaste menor dos componentes fixos e móveis. Combinados, geram uma potência total de 22500 lb (100 kN – “kiloNewtons”) de “impulso seco” e 34000 lb com acionamento de pós queimador. O desempenho do conjunto faz alcançar a velocidade de cruzeiro de Mach 1.8 (750kt – 1390 km/h), com um teto de serviço de 55000 ft (16800 m), alcançado em cerca de 1,5 minutos. O tempo de acionamento da potência total é de pouco mais de 4 segundos, em qualquer altitude. A aeronave tem seu consumo otimizado, e, no padrão F3 tem uma tomada fixa de reabastecimento em vôo, operação assistida pelos canards e elevons, que operam conjuntamente para atuar como freios aerodinâmicos, de modo a compensar a variação de peso durante o processo.

A velocidade de aproximação típica, com a aeronave descarregada da carga paga e sem combustível extra, ou seja, deslocando algo em torno de 15000 k com em 16° de AoA costuma a ser de 125 kt (230 km/h). Os freios são a disco de carbono, assistidos por sistema ABS, possibilitam a parada em distância mínima de 450 metros, sem a necessidade de acionamento de pára quedas de frenagem.

A Dassault costuma a apresentar o Rafale como “omnitarefa”, ao invés de “multitarefa”, ou seja, uma aeronave capaz de cumprir “todas as tarefas”, já que “multi” implica em “muitas”, mas não “todas”. O nome é uma estratégia de marketing; já o conceito deriva de uma filosofia baseada na possibilidade de ampla variedade de combinações armamentos ar-terra, ar-mar e ar-ar, pods de sensores e tanques de combustível.

Outra característica do Rafale é a possibilidade de que a aeronave seja reprogramada muito rapidamente, de um perfil de missão para outro. O armamento, pods e células de sistemas internos são desenhados de modo a serem trocados com poucas operações, através da retirada de módulos e encaixe de outros. Esta é uma característica de todas as aeronaves modernas, mas os engenheiros da Dassault encontraram um modo de estender tal flexibilidade: em certas condições a missão pode ser reprogramada mesmo que a aeronave já esteja a caminho.

Esse conceito é chamado, pela Dassault, “lute e não se preocupe com mais nada” (trata-se de uma tradução livre de fight & forget). O piloto pode se concentrar na condução tática e entrega do armamento, enquanto os sistemas da aeronave cuidam da estabilidade da aeronave, da interpretação da ambiência externa e da presença de ameaças reais ou potenciais. É outra característica do perfil “omnitarefa”: a ampla variedade de sensores inteligentes e discretos, desenvolvidos com vistas exclusivamente a essa aeronave, pelas companhias envolvidas no projeto. O conjunto de sensores gera uma vasta quantidade de informações que são “fundidas digitalmente” por um poderoso computador central, dotado de 128 processadores, desenvolvido pela empresa Dassault Eletronique. Essa empresa utilizou um código-fonte considerado muito avançado, denominado “ADA”, capaz de gerar códigos de aplicação conforme a demanda. O resultado, segundo a maioria das análises, é uma notável diminuição da carga de trabalho do piloto, que tem reduzidos inclusive os movimentos físicos da cabeça, tronco e membros, pois os dados interpretados e combinados pelo computador são apresentados numa variedade de displays TFT situados no painel frontal (três, mais exatamente), sensíveis ao toque e no nível da visão, no visor do capacete ou em uma tela holográfica situada ao nível da visão (esses sistemas são chamados HMD – head mounted display – e HUD – head-up display). Por outro lado, essa característica tem gerado certa controvérsia. Segundo algumas fontes, a alta complexidade da cabine do Rafale acaba por ter um efeito contrário ao buscado: de fato, aumenta tanto a carga de trabalho do piloto quanto a possibilidade de estresse.

O que foi descrito acima está integrado ao padrão “F3” do Rafale. Deficiências dos padrões anteriores, como um sistema pouco confiável de visão IR (infravermelho, que possibilita certos padrões de visão noturna e controle de armas), integração problemática entre os diversos painéis, principalmente os do tipo HMD e ausência de um radar AESA operacional foram solucionados. O padrão F2 do Rafale estava equipado  com um radar do padrão PESA (Passive Electronic Scanned Array, “equipamento de varredura eletrônica passiva”), por sinal, o primeiro a ser desenvolvido na Europa. A partir de 2012, os F3 passarão a sair da fábrica equipados com o radar Thales RBE2AA, do padrão AESA (Active Electronically Scanned Array, ou “equipamento de varredura eletrônica ativa”). O padrão AESA consiste de um radar cuja antena é composta por até mil pequenos módulos transmissores-receptores de estado sólido, capazes de emitir tantas ondas de rádio quanto considerado necessário, além de variar o ângulo de emissão-recepção. O sinal emitido “vaza” para fora da banda de frequência, o que torna a fonte emissora muito mais difícil de distinguir contra o ruído de fundo característico do ambiente (outras transmissões, eletricidade atmosférica, etc.). Integrado ao computador central da aeronave, torna-se um verdadeiro centro de controle de alvos, a começar pela capacidade de acompanhamento de terreno, que permite o vôo em altitudes ultrabaixas.

De fato, o radar tem sido uma das maiores fontes de controvérsia, em relação ao Rafale, e muita bobagem tem sido dita sobre o assunto. Até aqui, o radar que equipa essa aeronave é o Thales RBE2 (Radar à Balayage Életronique 2 plans), um radar do padrão PESA projetado e aperfeiçoado a partir de 1989, que integra o padrão LPI (low probability of intercept, ou “baixa probabilidade de interceptação”). O RBE2 é um radar multimodo de controle de fogo monopulso-doppler banda X, construído em torno do “conceito modular”, ou seja, ao invés da antena móvel mecânica, utiliza centenas de módulos eletrônicos de estado sólido. É capaz de rastrear o espaço adiante da aeronave numa distância de até 100 kms, mas também pode atuar no modo look down-shot down (“enxergar” objetos e orientar armamento em ângulos muito abertos com relação ao nariz da aeronave). O RBE2 também teria a vantagem de ser mais adaptável às operações centradas em rede, pois poderia receber, através da antena PESA, informações de radar originadas fora da aeronave. Ainda se trata de um sistema extremamente eficaz, considerado superior ao equivalente utilizado pelo Eurofighter Typhoon, denominado Captor.

Ainda em 2002, as autoridades da DGA (Delégation Generale pour l’Armament – repartição do Ministério da Defesa encarregada de conceber e configurar as necessidades de equipamento das forças armadas francesas) determinaram o desenvolvimento de uma versão AESA do equipamento, visando o Rafale. A Thales, vencedora do contrato, apresentou, na ocasião, um modelo, denominado DRAA (Démonstrateur Radar à Antenne Active). Em 2003, o protótipo foi montado num Rafale B3, e fez testes de vôo bem sucedidos. Em meados de 2004 surgiu um novo protótipo, denominado DRAAMA (Démonstrateur Radar à Antenne Active Modes Avancés), ou seja, o radar AESA do Rafale. Tratava-se de um equipamento inteiramente novo, que incorporava todos os avanços obtidos a partir do programa DRAA. O consórcio Rafale garante que o RBE2 PESA poderá ser escalado para um sistema AESA completo, e que, nas aeronaves francesas, o processo começará no início de 2012, embora não garanta que todos os pretendentes a adquirir o Rafale serão autorizados a adquirir também o RBE2AA. Não existem ainda avaliações técnicas isentas em torno do RBE2AA, mas é provável que o sistema tenha passado por testes extensivos no teatro afegão e, mais recentemente, na Líbia. O que se pode dizer de concreto é que a geringonça é de tal forma cara que já em 2007 a França teve de diminuir o lote de Rafales previsto para ser entregue até 2010, de 59 para 51 unidades, de modo a conseguir dinheiro para dotá-los do novo equipamento.

Outra característica do Rafale é o sistema de contramedidas eletrônicas Spectra (Système de Protection et d’Evitement des Conduites de Tir du Rafale). Integrado pela Thales e pela Dassault, o Spectra é um conjunto de sensores e softwares que permite à aeronave detectar uma série de classes de emissão de ondas, tais como radar, interferência eletrônica, aproximação controlada por faixa infravermelha, detecção provida por faixa laser, além de providenciar medidas defensivas, como interferência eletrônica e dispersão de chaff/flare, a partir dos quatro dispensadores distribuídos pela fuselagem. Segundo informações da Thales, o Spectra também é capaz de diminuir a assinatura de radar da aeronave, implementando suas características furtivas (stealthy). O gerenciamento do sistema é totalmente feito pelo computador central da aeronave, que “funde” os dados e os coloca à disposição do piloto nos painéis, inclusive nos HMD e HUD. O sistema foi testado no Afeganistão, e se demonstrou confiável em nível muito alto (segundo, é lógico, o que foi noticiado pela Thales…), e também de alto grau de operacionalidade, no que diz respeito à manutenção em terra, já que os sensores e programas podem ser mudados muito rapidamente, conforme o perfil de missão. As informações divulgadas pelo consórcio não deixam muito claro em quanto o Spectra aumenta o preço final do Rafale, e se haveria outro sistema de menor escala – e, portanto, mais barato –, que possa ser fornecido no lugar do top de linha. O que se sabe é que nos padrões F1 e F2 o sistema de contramedidas, denominado DBEM (Détection et Brouillage Electromagnétique), reduzia-se ao receptor de alerta de iluminação por radar (RWR – Radar Warning Receiver) e sistema de contramedidas de interferência eletrônica (ECCM – Eletronic Counter-Counter Measures). Mesmo com menos funções incorporadas, a maioria dos analistas o considera muito eficaz: automaticamente detecta, classifica e identifica o emissor e envia a informação ao computador. No ambiente DBEM, o piloto tem de tomar certas decisões que, com o SPECTRA, são tomadas pelo sistema, sem interferência humana.

O Rafale também é dotado de um sistema frontal de optrônicos (FSO – Front Sector Optronics), situado no nariz da aeronave. “Optrônicos” são sistemas que combinam a imagem ótica com a eletrônica, fornecendo uma visão o mais próxima possível da imagem da coisa real. São geralmente baseados em sinais criados por cameras de TV, e no FSO do Rafale, estão centrados num sensor de alta magnificação de TV, destinado à identificação de alvos singulares, num sensor infravermelho de busca e localização e num sistema de telemetria à laser. O conjunto HDTV/IR fica alojado numa estrutura “tipo bola” (semelhante ao que vemos no “queixo” dos helicópteros de TV). Esse sistema se combina com outro, concebido pela Thales Optronique, batizado Damocles. É um pod usado para designação de alvos via facho de laser, e pode ser eventualmente ligado ao FSO, de modo a prover imagens frontais em infravermelho que são transmitidas ao HUD. O cockpit do Rafale é totalmente compatível com diversos tipos de óculos de visão noturna, bem como com vários padrões de HMD, que, segundo a Rafale International, são deixados à escolha do comprador – a empresa faz a integração, sem problemas, visto que a aeronave é compatível com todos os padrões utilizados pela NATO.

Outro sistema optrônico disponível para o Rafale é o pod Reco NG/Areos. Trata-se de um sistema de reconhecimento que grava imagens digitais fixas (fotografias) e em movimento, em padrão infravermelho ou HDTV, sendo portanto eficaz tanto durante o dia quanto à noite, em diversas gradações de distância. O sistema pode ser programado para “adquirir” automaticamente o tema, sem interferência do piloto, que pode acompanhar a aquisição através de imagens redundantes transmitidas para o cockpit, ao mesmo tempo que são enviadas em tempo real para uma ou mais estações em terra. O Rafale é programado para enlaçar os dados adquiridos (datalink) através do sistema Link 16, padrão da OTAN, o que também incluí os Modo M CAS (Close Air Support – “Apoio aéreo aproximado”) e CAS Rover (para imagens em vídeo – aquele que se tornou famoso no vídeo da Wikileaks, mostrando um helicóptero “Apache” passando o rodo em perigosos civis, no Iraque). As imagens podem ser transmitidas para um ou mais centros de controle em terra, bastando que o piloto as selecione.

A maior parte da traquitana montada no Rafale tem, como função, controlar os sistemas de armas que devem ser entregues ao inimigo. Os dois principais, que estão integrados à aeronave desde o padrão F1, são o canhão interno de 30 mm e o míssil de guiagem ativa MICA, fabricado pela empresa MBDA.

O canhão, destinado a confrontar adversários a curta distância, é o GIAT 30 M791. Equipamento de operação elétrica, suas principais características são a câmara rotativa acionada por motor elétrico, a ativação elétrica da espoleta da munição e o cano único. A câmara rotativa torna regulável a cadência de tiro, que pode ir de 300 até 2500 disparos por minuto, em rajadas contínuas ou de 0,5 e 1 segundos. A capacidade interna do tambor é 125 cargas de munição 30X125 mm, de várias especificações, com alcance útil de aproximadamente 2000 metros.

O principal armamento montado pelo Rafale é o míssil ar-ar MBDA “MICA” (Missile d’Interception, de Combat et d’Autodéfense). Trata-se vetor de alcance variável, guiagem mista, que começou a ser projetado no final dos anos 1980, destinado a substituir tanto os mísseis Magic, de curto alcance, quanto os Super 530D, de médio alccance – ambos produtos da empresa Matra. Os engenheiros da empresa acreditavam que os desenvolvimentos obtidos na tecnologia de orientação e nos sistemas de propulsão permitiriam a adoção de uma única arma, o que significaria uma economia de custos e planejamento. O novo míssil chamou-se “MICA”, seguindo o gosto francês por acrônimos criativos. O MICA entrou em operação na Armée de l´Air em 1996, e já se encontra na segunda geração, sendo considerado, juntamente com o russo Vympel R77, o melhor vetor de combate aéreo disponível. A principal característica do vetor é o alcance variável, que vai de mil metros até mais de 80 km. Em duas versões, o MICA tanto pode utilizar a orientação por imagens infravermelhas (IIR) como sensores radar-ativos (ARH – Active Radar Homing), variando o método de guiagem conforme a necessidade. Medindo 3100 cm e pesando 110 kg, transporta um ogiva de 12 kg de alto explosivo a uma velocidade final de Mach 4 (aproximadamente 4200 km/h), velocidade alcançada em menos de 15 segundos. O motor-foguete, impulsionado a propergol sólido, garante não apenas a alta velocidade como notável manobrabilidade, visto adotar o empuxo vetorado do jato, com pequenos defletores no tubo de saída, complementando as superfícies de controle aerodinâmicas. Estas são compostas de quatro pequenas aletas estabilizadoras passivas, logo atrás da seção do radomo, quatro outras, bem maiores e também passivas, ao longo da seção central, e quatro aletas ativas (móveis), na seção traseira. Aliadas ao sistema de orientação, essas aletas permitem que o MICA manobre em ângulos muito fechados, de alto G, e busque adversários situados fora da visão do piloto. A agilidade do sistema decorre da orientação combinada: após o radar da aeronave detectar um alvo, o MICA voa inicialmente sob controle de um sistema interno de navegação inercial. Em seguida os sensores do míssil assumem o controle para completar a trajetória. O sensor de busca IIR por operar em dois comprimentos de onda infravermelha, constrói uma imagem do alvo que servirá para que auxiliar a identificação, implementado-lhe o alcance, quer dizer: o míssil “cheira” o calor de uma aeronave adversária em distâncias variáveis, o que permite seu uso contra objetivos “além do alcance visual” (BVR, Beyond Visual Range) sem ter de acionar o sistema de guiagem ativa, o que, teoricamente, possibilitaria ao adversário perceber a aproximação do vetor. O MICA também é capaz, em certas condições, de distinguir o alvo dos artifícios lançados para enganá-lo (chaffs/flares) ou mesmo diante de interferência de sinais. Portanto, o piloto de uma aeronave armada com o MICA tem à sua disposição uma ampla variedade de opções de ataque. Pode, inclusive, escolher o número de mísseis a serem empenhados contra alvos BVR; a curta distância pode utilizá-lo mesmo depois do vetor ter sido “trancado” num alvo designado pelo radar da aeronave.

Para fins de interdição, o arsenal posto à disposição do Rafale inclui vetores de longo alcance, como o míssil de cruzeiro ASMP-A e o ítalo-franco-britânico Storm Shadow/Scalp EG, produto do consórcio MBDA. Trata-se de um sistema de armas modular centralizado em um míssil de cruzeiro antinavio, de médio alcance (250 km, em condições ideais), que pode ser lançado de plataformas navais e da maioria das aeronaves em serviço na OTAN (Tornado, GR4, Tornado IDS, Mirage 2000, Gripen, Typhoon e Rafale). O Rafale também pode lançar o míssil antinavio de curto/médio alcance Exocet. Todas essas armas já foram testadas, inclusive em serviço, tanto no Afeganistão quanto na Líbia.

Para  finalidades de ataque terrestre, o Rafale dispõe de amplo inventário de bombas guiadas a laser, dos tipos GBU12, GBU22 e a mais recente GBU24. As bombas GBU são cópias do modelo norte-americano, mais conhecido como Paveway II (nome que se refere ao kit de guiagem a laser), sendo que a GBU12 tem 227 kg (500 lb). A GBU22 é conhecida como Paveway III, tem o mesmo deslocamento, mas tem o sistema de guiagem muito aperfeiçoado; a GBU24 é igual à outra, mas desloca 907 kg (2000 lb). São artefatos extremamente precisos, capazes de penetrar alvos protegidos, e intensamente testados em combate, nos últimos anos. O Rafale também está sendo preparado para utilizar as bombas guiadas Sagem AASM (Armament Air-Sol Modulaire) de 125 kg, orientadas por GPS ou facho infravermelho. Essa arma incorpora um pequeno foguete, que lhe aumenta o desempenho aerodinâmico e o alcance, e pode ser pré programada para o engajamento de alvos determinados previamente. Foi extensamente testada no Afeganistão, e tanto os pilotos franceses quanto seus colegas da coalizão passaram a chamá-la de “bomba mágica”. Entretanto, mágicas aparte, a AASM, de início, mostrou algumas incompatibilidades com o Rafale. As variantes guiadas eram especialmente imprecisas, mesmo considerando que, na época (2008), o pod designador Damocles ainda não tinha sido plenamente integrado à aeronave. A situação chegou ao ponto dos franceses terem passado algum tempo utilizando Paveways norte-americanas (o que, suponho, não deve ter sido nada bom para o orgulho gaulês…).

Bem, acho que por ora, já é suficiente, e imagino que os interessados já terão elementos para falar mal ou falar bem do Rafale, mas com algum conhecimento de causa. E também fica a advertência, que não vale para os assíduos de causa:: – falar de avião não é uma questão de querer, mas de ser capaz. De outro modo, é ingenuidade ou desonestidade. Só eu mesmo me dou ao direito de começar a avaliar uma aeronave pelo quesito beleza – mas vejam bem: só faço isso autorizado pelo engenheiro Marcel Dassault (é, ele mesmo). Dizia o pai da moderna indústria aeroespacial francesa que “se é bonito, então voa bem”.

Em futuro muito próximo, pretendo publicar aqui a tradução de uma avaliação feita por um jornalista especializado, sobre o caça, e uma comparação entre Rafale e Super Hornet. Não vou pesquisar nenhuma comparação entre Rafale e Gripen por serem, na opinião de muitos especialistas, aeronaves de categorias diferentes, a começar pelo fato de uma ser biturbina e a outra, monoturbina, o que modifica, positiva e negativamente, o  desempenho de ambas. Fiquem atentos e divirtam-se bastante, até a próxima!::

http://seg.sharethis.com/getSegment.php?purl=http%3A%2F%2Fjbitten.wordpress.com%2Fwp-admin%2Fpost.php%3Fpost%3D3016%26action%3Dedit&jsref=&rnd=1325204269064

Cultura material militar::Melhores projéteis fazem melhores armas::

Já faz algum tempo, examinamos alguns tópicos relativos à teoria e história do tiro e das armas de fogo. Imagino que os assíduos (será que ainda existem?..) talvez ainda lembrem, à esta altura, que o tiro por arma de fogo começou a se desenvolver no final da Idade Média, depois da introdução, no Ocidente, da pólvora negra e das primeiras armas de fogo. Essas tinham diversas limitações, que foram sendo resolvidas conforme a tecnologia, em diversos campos, avançava. A ciência do tiro, de início, era empírica, ou seja, ia se desenvolvendo por uma série de experiências de acerto e erro. Os maiores problemas eram decorrentes da baixa confiabilidade da pólvora, das limitações da metalurgia e dos escassos conhecimentos de física. O tiro é influenciado por diversas variáveis que têm de  ser calculadas a partir de questões matematicamente formuladas. Por sinal, sejamos mais precisos: o tiro é uma questão de matemática e de física. A precisão só pode ser implementada conforme a física se desenvolve e a matemática consegue traduzir, naquela estranha e fascinante linguagem, as questões colocadas pelos artilheiros e atiradores. Dizendo de outra forma: o problema era possibilitar ao atirador certo controle sobre a trajetória do projetil. Esse problema estava ligado à diversas condicionantes.

Por exemplo: qual a carga de pólvora necessária para fazer o projetil voar? Uma quantidade muito pequena tornava o tiro inocuo; muito grande, rebentava a arma. Ferramentas matemáticas (equações) que permitissem calcular a potência da explosão só surgiram no século 18. Até então, era tudo um exercício de experimentação. As quantidades de pólvora iam sendo reguladas, e, após determinadas, passavam a constar de manuais que ensinavam os soldados quais as quantidades corretas. O atirador conduzia, desde o final do século 15, diversas unidades de uma espécie de bisnaga, chamada polvorinho, com as quantidades adequadas de pólvora. Para carregar a arma, esta era posta com a coronha no chão (o “cabo” da “bengala” do tal “canhão-bengala”, harckenbuchse, ou “arcabuz”) e a pólvora despejada lá dentro. Um pouco de estopa era socada, por intermédio de uma vareta, sobre a pólvora e, em seguida, o atirador deixava a bala rolar através do cano, e socava tudo mais uma vez. O passo seguinte era expor a caçoleta e colocar nela um pouco de pólvora de escorva, uma pólvora mais fina destinada a servir de “pavio”. A escorva ficava em outro recipiente, de modo que é possível calcular o número de operações necessárias para carregar um arma, dessa maneira. Era tudo carregado separadamente. Em seguida, o atirador puxava o cão para trás, até que ficasse preso com a mola distendida. Para o disparo, a arma era apoiada numa forquilha (uma coisa dessas podia pesar até vinte quilos…) e o disparo feito. Entre a ignição da escorva e a da carga, ocorria certo tempo, visto que a pólvora negra era de queima lenta. Isso significava que o atirador deveria ficar firme, no momento da primeira explosão, esperando que a carga explodisse – e a primeira explosão gerava um monte e fumaça quente e fagulhas, bem próximo do rosto do coitado… Que Deus protegesse esses primeiros atiradores – até porque eles deviam viver rezando, já que as principais guerras do período eram por motivos religiososos. Nessas guerras, talvez para matar mais rápido a cavalaria católica, o campeão da causa protestante, o Rei Gustavo Adolfo, da Suécia,  durante a Guerra dos Trinta Anos, inventou uma série de importantes inovações teóricas e técnicas, todas relativas à implementação do tiro em combate. Uma dessas foi a introdução do “cartucho”, que não passava de uma carga preparada para uso, na qual eram embrulhados em papel, o projétil, a carga de pólvora e a escorva, levados pelo atirador em um embornal. Esse truque economizava operações e torna o tiro muito mais rápido.

A questão é que, além das armas serem de alma lisa, ou seja, sem raiamento, o projetil ficava meio solto lá dentro. A folga entre a parede interna do cano e o projetil decorria do fato de que ele tinha de deslizar para dentro com alguma facilidade. Só que essa folga tornava o tiro bastante impreciso, uma vez que a pressão exercida pelo gás gerado pela explosão da pólvora acabava sendo desigualmente distribuída, e fazia com que o projetil fosse ricocheteando na parede interna do cano. As consequências resultantes dessa situação acabavam fazendo com que a trajetória final do projetil não pudesse ser minimamente controlada (dependendo da seção do cano da arma com que o projetil se chocasse por último, ele podia iniciar o vôo mais para cima, para baixo ou para os lados). Além do mais, o projetil deixava o cano “trambolhando”, ou seja, numa rotação axial aleatória, que não era suficiente para vencer a resistência do ar de modo uniforme.

Inicialmente, a solução foi colocar os infantes bem juntos, um dos outros, atirando ao mesmo tempo contra uma tropa adversária colocada a uns trezentos ou quatrocentos metros de distância e organizada mais ou menos da mesma forma. A cavalaria atacava pelos lados, tentando desorganizar as fileiras (chamadas “ordens”) adversárias. Quem acertasse mais, vencia. Claro, esta é uma simplificação, mas imaginem a cena.

Ou seja, melhorar o tiro era mais uma questão técnica que militar. Os dois principais problemas que acompanharam o tiro desde sua origem foram (um) a quantidade de energia imprimida ao projétil e (dois) a estabilização do vôo, de modo que a trajetória possa ser controlada. O problema da quantidade de energia começou a ser resolvido com a invenção da pólvora negra; o da estabilização demoraria mais.

A idéia de fazer o projetil girar em torno do próprio eixo (esse movimento é chamado “hélice”, uma linha à qual é imprimida torção constante e proporcional à curvatura) ao longo da trajetória não era nova. De fato, era aplicada, desde a Antiguidade, a projéteis de formato alongado, tais como flechas e dardos, de modo a compensar a resistência do ar. Em sistemas mecânicos de lançamento, imprimir ao projetil um movimento de rotação, ainda que instável, não era difícil. Em flechas, uma carenagem constituída por penas ou qualquer elemento que oponha suficiente resistência à passagem do ar, situada na extremidade posterior do corpo, era suficiente para provocar um movimento giratório. Como o ar é um fluído, a resistência a penetração de um corpo (chamada de “arrasto”) é inversamente proporcional à capacidade desse corpo em rompê-la, ou seja, à diferença entre a quantidade de energia imprimida a ele e a existente no elemento de oposição. O problema seria, então, a quantidade de energia. A invenção da pólvora negra colocou à disposição dos projetistas de armas um processo de geração de energia que resolveu o entrave da quantidade, embora tenha criado outros. Um deles, talvez o principal, foi o descrito mais acima, diretamente relacionado com o formato desses primeiros projetis.

Começou a ser ultrapassado com a invenção do processo chamado “raiamento” (em inglês, rifling, daí a expressão rifle). Tratava-se de escavar, no interior do cano, uma série de sulcos muito rasos, que lhe percorriam o comprimento em um movimento de hélice. O projétil, ao ser violentamente tirado da inércia pela expansão dos gases, passava a correr por esses sulcos e começava a girar sobre si mesmo. O efeito giroscópico da rotação axial estabilizava o vôo, tornando a trajetória mais precisa e previsível.Esse processo foi inventado na segunda metade do século 15, na Europa Central. É provável que, inicialmente, o raiamento tenha visado aproveitar melhor a pressão gerada pelos gases da explosão, visto que as primeiras raias eram retas, e foram aplicadas em armas de caça, de alto luxo. Geralmente, um par de raias dividia o interior do cano em duas seções. (O Museu Histórico Nacional, no Rio de Janeiro, possui um exemplar desse tipo de arma em suas coleções). Havia, entretanto, o problema da dificuldade do carregamento, que ficava mais lento. Pressionar o projétil ao longo do cano, por meio da vareta, o amoldava às raias e fazia o processo funcionar, mas exigia força e certo cuidado. Em armas de caça, isso não era problema; em armas de combate carregadas pela boca, essa operação tinha de ser rápida, e, como já vimos, o projétil simplesmente “escorria” pelo cano, empurrado suavemente até alcançar a câmara. Os especialistas dizem que, em meados do século 18, um soldado dotado de cartuchos conseguia carregar um mosquete Brown Bess em cerca de vinte segundos; já um rifle de caça tomava do atirador cerca de um minuto para um tiro cuja precisão (caso fosse um bom atirador) podia alcançar 400 metros. Determinados rifles, armas de caça de pederneira feitas nos EUA por armeiros de origem alemã, também se distinguiam pelos longos canos, forma de potencializar a expansão dos gases. Ainda no século 18, a habilidade de civis que lidavam com armas de caça, particularmente na Europa Central, levou à criação de tropas especializadas, formadas por homens que sabiam lidar com “canos raiados”: Jägern, Chasseurs, Cazadores.eram os nomes que receberam essas tropas, uma espécie de infantaria ligeira que se deslocava buscando melhores posições para o tiro. Nos último quartel do século 18, a eficiente participação de caçadores civis nas milícias que combateram os ingleses durante a Guerra da Independência dos EUA, e depois nas guerras contra a França, levaram ao estudo, pelos ingleses, de novas táticas baseadas no tiro de precisão, e a formação de tropas especiais, os Corpos de Rifles. No caso, “rifle” designa um soldado equipado com esse tipo de arma. O Departamento de Armamento (em inglês, Board of Ordnance) foi então autorizado a encomendar certa quantidade de rifles de caça fabricados na Prússia, para testes. Uma série de equívocos, ao longo do processo, despertou certa implicância com a nova arma, e atrasou sua adoção. O grosso das tropas de infantaria continuou equipado com mosquetes e o Board começou a buscar, na indústria local, uma arma semelhante.

O modelo escolhido (embora não se saiba exatamente o motivo) foi o Rifle Baker, produzido pela oficina do armeiro Ezequiel Baker, que baseou seu produto numa arma de produção prussiana, utilizada pelas Tropas de Caçadores daquele reino. A arma apresentada tinha muitas características comuns com os mosquetes do exército, os Brown Bess, a começar pelo calibre .75 (19,05 mm), e o cano de 32 polegadas (81,3 cm), se bem que, posteriormente, algumas modificações foram feitas, para adequar a nova arma ao uso da cavalaria. Os rifles eram carregados pela boca e podiam ser equipados com um enorme sabre-baioneta, cuja lâmina media 61 centímetros.

Entretanto, se o raiamento melhorava o rendimento do tiro, não resolvia todos os problemas e ainda criava alguns novos. Um deles era, exatamente, a dificuldade do carregamento. Um manual da época indicava o seguinte procedimento: “O soldado, por seu lado esquerdo, coloca o rifle no chão, com o cano para cima, deixando-o deslizar através da mão esquerda, com cuidado, mantendo-a perto da boca da arma, o polegar esticado ao longo do suporte de madeira do cano, e a coronha apoiada entre os calcanhares. O cano fica entre os joelhos, que devem estar dobrados para a tarefa; o cartucho é posto dentro do cano e a vareta, posicionada entre o indicador e o polegar da mão direita. A vareta, agarrada com a esquerda, e colocada em posição, forçada cerca de três e meio centímetros dentro do cano. O cartucho é então empurrado até cerca de 9 centímetros; o soldado se coloca em posição ereta novamente, retira a vareta com a mão direita e a coloca no suporte.” Um atirador muito bem treinado levaria uns 40 segundos para completar toda a operação.

Apesar dos problemas, o Baker se tornou o primeiro rifle a ser distribuído em grandes números entre as tropas inglesas, a partir de 1801. Conforme a guerra contra Napoleão se desenrolava, novos modelos foram sendo introduzidos, inclusive uma versão mais curta e leve, destinada à cavalaria.

Custaria certo tempo até que os rifles se tornassem comuns. O processo de raiar canos ainda era complexo embora a tecnologia da Revolução Industrial Inglesa tivesse melhorado os materiais disponíveis. O processo continuou a ser feito com ferramentas manuais e envolvia um grau bastante alto de imprecisão, o que não impedia a melhora da qualidade do tiro. Entretanto, passaria ainda algum tempo até que armeiros e atiradores percebessem que ainda havia um terceiro elemento envolvido no processo: o desenho do projétil. Pela comparação com flechas e outros projéteis alongados, os armeiros perceberam que o formato funcionava melhor, em vôo, quando em giro axial. Um outro detalhe que eles perceberam é que, ao ser forçada através do cano, a bala adquiria um formato alongado. Daí até a idéia de dar-lhes o formato cilindro-ogival ou cônico, o passo não foi imediato, mas também não demorou tanto tempo assim. Esse tipo de inovação começou a tornar-se comum em meados do século 19. O que não é estranho, e tem mais relação com a história da ciência do que com a história militar.

Os séculos 18 e 19 foram, sem sombra de dúvida, os séculos da ciência. A pressão exercida pela expansão do sistema econômico sobre o conjunto da sociedade levou a que a atividade científica se tornasse parte integrante do processo produtivo. De observadores e intérpretes da natureza, em busca de um conhecimento racional sobre a realidade, os cientistas se tornaram elementos de uma cadeia cujo objetivo era ampliar a capacidade de produção da indústria. O século 19 se tornaria o século do vapor e do metal, da produção mecanizada e da padronização. Os processos laboratoriais de experimentação foram incluídos na estrutura da indústria, assim como a produção de conhecimento relativa. Isso significa que estava terminando a época do erudito amador, generalista interessado em todas as ciências, foi deixada para trás, com século 18. Os novos métodos permitiam medições que tornavam os resultados das experiências mais precisos.

O século 19 foi o século da industrialização da guerra. As guerras napoleônicas foram as últimas travadas com tropas formadas e equipadas segundo a lógica pré-industrial, lutadas por soldados com equipamentos produzidos em oficinas que ainda usavam métodos artesanais. Os novos projéteis são produtos dessa nova organização social. Entretanto, não demoraria muito para que a reorganização do processo produtivo colocasse nas mãos dos soldados armas fabricadas de modo a que as peças fossem o mais parecidas possíveis umas com as outras, de modo que pudessem ser trocadas rapidamente, facilitando tanto a produção quanto a manutenção. Máquinas-ferramentas, movidas a vapor, feitas de melhores materiais, permitiram que medidas mais precisas (os “gabaritos”) tornassem a peças cópias exatas umas das outras. Esses processos foram aplicados tanto às armas grandes, os canhões, quanto às armas portáteis da infantaria. Era uma nova guerra que se avizinhava. Na segunda metade do século 19, operários e soldados se tornavam cada vez mais parecidos, uns com os outros e entre si. Como as armas com que se matavam.::

O Brasil, as forças armadas, a profissão militar:: Quetais relativos (Parte II)::

Sou do tempo em que noventa por cento dos convocáveis daria um dedo para fugir do serviço militar e cair na categoria dos “dispensados”. Havia os que se apresentavam como voluntários para incorporação na Brigada de Infantaria Pára-quedista (os “cães de raça”), ou para “oficial da reserva”. Mas, em lugares como o Rio de Janeiro, São Paulo ou outras grandes cidades, a maioria dos jovens em idade de convocação queria mesmo era conseguir uma “peixada” para ficar de fora. Nos anos 1980 e 1990, a crise econômica fez com que os jovens em idade de alistamento vissem nas FAs uma oportunidade de trabalho, e a situação se inverteu: buscavam o alistamento muito mais candidatos que as vagas disponíveis. Na atualidade, a busca pelo serviço militar continua alta, embora menor do que vinte anos atrás, no auge da crise, embora os problemas relativos à conscrição universal persistam os mesmos. Quais são? Bem… Leiam o post::

parteiiA formação de militares da reserva sempre foi problemática visto ter de adequar o cidadão, afeito à vida civil, às normas e regras, por vezes difíceis de entender, da vida militar – a começar por usar armas e obedecer ordens, principalmente obedecer ordens. O problema é que, com a complexização das forças militares, a partir do século 19, mesmo obedecer ordens e operar armas passou a implicar em certa qualificação anterior, que, na contemporaneidade, é bastante alta. Assim, países como a Suécia ou o Canadá têm alistados de alta qualidade, qualidade que tende a aumentar conforme aumenta o tempo do cidadão na reserva; países como os EUA, a Inglaterra e a França têm tido dificuldades em manter a qualidade das praças e dos graduados, visto que a reserva de potencial humano mobilizável tem apelado para extratos mais baixos da população, notadamente imigrantes.

O que nos apresenta o primeiro problema dos planejadores: a massa populacional disponível. Países com as populações dos EUA ou da Rússia, por exemplo, têm forças armadas estruturadas de maneira diversa de países como a Suécia, a Dinamarca ou a Suiça. Nesses últimos a massa populacional é limitada pelo tamanho absoluto e pelo envelhecimento relativo e assim, a força ativa não pode ser grande. Nos dois primeiros, é considerado o fato de que, em caso de necessidade, milhões de homens e mulheres relativamente jovens são mobilizáveis, caso necessário; nos últimos, a pequena população faz com que não apenas a reserva seja um problema como o próprio tamanho da força da ativa será necessariamente pequeno (a Noruega tem FAs com número total de 25.000 efetivos; a Suiça reúne pouco mais de 80.000). Em países como esses, forma-se uma espécie de “reserva ativa”, ou seja, após o período de treinamento (que geralmente dura entre 8 e 24 meses), o cidadão é posto numa “lista de reserva”. Na Suécia o tempo de serviço mínimo é de 10 meses, após o qual o alistado é dispensadoe pode ser relacionado para unidades de reserva de primeira linha – regimentos em que parte do efetivo não é mantido em serviço ativo. Ao longo de alguns anos, o cidadão é convocado para certo número de semanas de serviço (em geral duas por ano); outros dispensados podem ser relacionados para unidades de segunda linha, nas quais o tempo de convocação é menor. Em países como Noruega, Dinamarca e Suiça, com pequenas diferenças, o sistema é o mesmo, e resulta que as forças permanentes são compostas quase unicamente de oficiais e graduados. Boa parte dessas convocações destinam-se a testar o sistema de pronta mobilização que, no caso da Suécia, pode garantir que cerca de 800.000 efetivos (dentre uma população de cerca de 9.2 milhões de habitantes) sejam mobilizados em 48 horas. É claro que essas projeções são teóricas, e, de fato, o maior exercício de mobilização realizado nos últimos dez anos levou 240.000 reservistas a se apresentarem num período de 4 dias.

Nos EUA, o serviço militar é voluntário e dura pelo menos 4 anos, após a assinatura de um “contrato de alistamento” (Enlistment/Reenlistment Document of the Armed Forces of The United StatesDepartment o Defense Form 4/1), que só pode ser rompido em condições especiais. O alistado passa para a reserva após o cumprimento do contrato, e a reserva pode ser “ativa” (o reservista treina durante alguns fins-de-semana, durante certo número de anos e participa de manobras, a cada dois anos, mas arca com parte das despesas desses treinamentos, como uniformes e transporte até as bases militares), inativo (o reservista não treina, mas pode ser convocado) e os quadros egressos dos Corpos de Treinamento de Oficiais da Reserva (ROTC, em inglês). Este se trata de um programa baseado no recrutamento de alunos de faculdade, que recebem treinamento ao longo do curso e se comprometem entrar numa lista de reserva após o término da graduação. Essas pessoas podem requerer  ingresso na carreira militar, uma vez graduados. Nos EUA, o serviço ativo para oficiais dura por volta de 25 anos, até que o militar esteja apto a passar à reserva paga. O mesmo se dá com graduados. Para soldados, é possível cumprir até 3 contratos de alistamento seguidos como praça, num total de pelo menos 10 anos. Para soldados não existe reserva paga. Outro corpo de reserva é a “Guarda Nacional” (U.S. National Guard), uma espécie de força de milícia dos estados da federação, que, embora sob autoridade federal, é posta, em tempo de paz, à disposição dos governadores. O serviço na Guarda Nacional também é voluntário, e as condições de treinamento são menos rigorosas que nas forças armadas federais. Na Segunda Guerra Mundial, quase 60 por cento, ou seja, mais da metade das divisões em campanha era composta por reservistas convocados a partir das listas da Guarda Nacional. A convocação obrigatória (draft), que em tempos de paz era baseada numa lista ou na apresentação voluntária, foi extinta nos anos 1970, substituída pela incorporação voluntária, conforme descrito acima.

E como é a situação no Brasil? Observar as FAs brasileiras é, realmente, observar um microcosmo muito representativo do Brasil – uma sociedade extremamente desigual. Qualquer um que conheça algo sobre as FAs brasileiras sabe que, historicamente, a qualidade do material humano que se apresenta à conscrição é muito baixa, pois reflete a cisão observada, desde sempre, na sociedade brasileira. Ao longo do século 19, o quadro de oficiais mobilizou parte considerável de seus efetivos na elite – principalmente a Marinha. No Exército, a formação de oficiais está entre as mais antigas formações superiores existentes no país, sendo que, no século 19, boa parte dos engenheiros em atuação era egressa da Academia Militar. Ou seja: o quadro de oficiais mobilizava parte de seus efetivos entre a elite ilustrada. A menor parte: a maioria dos oficiais começava a carreira “sentando praça” na tropa, e, caso pudesse comprar patentes, alcançava o oficialato. Ainda assim, o serviço na tropa era considerado, no século 19, indigno até mesmo de escravos, sendo a soldadesca composta por indivíduos de baixíssima extração social – boa parte era de criminosos incorporados à força. E, até os meados do século, as elites não confiavam na tropa, tida, com certa razão, como indisciplinada e, por isso, mantida bem longe, nas fronteiras, em números os menores possíveis. Durante a Guerra do Paraguai, quando se precisou de gente, a convocação mostrou-se um problema, e foram feitas várias tentativas de regular o processo, nenhuma muito bem sucedida. As listas eram controladas pelos juízes locais, e passíveis de todo tipo de fraude imaginável. A primeira iniciativa para colocar o processo sob supervisão do Exército aconteceu em 1906, dentro das reformas implementadas pelo Marechal Hermes da Fonseca em seu período como Ministro da Guerra. Curiosamente (em nosso país, essas coisas sempre acontecem de forma curiosa…), o processo tomou fôlego quando, com o advento da Primeira Guerra Mundial, o poeta Olavo Bilac teve a idéia de tornar o serviço militar manifestação de amor à Pátria (“Ama com fé e orgulho, a Pátria em que nasceste”). O motivo real era que, com a tendência a que o país se alinhasse às potências ocidentais, a necessidade de se estabelecer uma reserva de contingência consolidou a aplicação da convocação geral, ainda que esta fosse muito afetada por fatores políticos. Nessa época também foi proposta a criação de uma reserva rapidamente mobilizável de oficiais subalternos para de alta qualidade. Entretanto, o modelo adotado e a implantação de fato, de núcleos funcionando como cursos de formação reduzidos, abertos à cidadania (a de primeira classe, não a de terceira…) surgiu na década de 1920, nos moldes da reserva francesa, sob  forma do Centros de Formação de Oficiais da Reserva (CPOR).

O serviço militar no Brasil, da forma como está atualmente estruturado, data da primeira metade dos anos 1960. O alistamento é obrigatório, e se dá entre os 17 e 18 anos, abrangendo brasileiros natos, naturalizados ou por opção e o alistado tem de ser (pelo menos em teoria…) alfabetizado. A apresentação acontece no intervalo de um ano, quando o alistado passa por um processo de seleção que leva em consideração aspectos médicos, psicológicos e sociais. Caso selecionado, o conscrito passa a recruta, ou seja, é incorporado à tropa.  O período que passa na corporação em que se alistou chama-se “serviço militar inicial”, e se completa num prazo mínimo de 12 meses (no caso do Exército). A maioria dos alistados acaba dispensada do serviço, pelos mais diversos motivos. Os incorporados prestam serviço em quartéis situados num raio máximo de 60 quilômetros da residência declarada. Existem certos casos – por exemplo, candidatos a oficial da reserva dos corpos de saúde e de engenheiros militares – em que é possível o alistado voluntariar-se para servir em outro estado.

No Brasil, as mulheres não estão obrigadas, em tempo de paz, a se alistarem para o serviço militar. Mas desde o início da década de 1980 as cidadãs também passaram a ter a opção de voluntariar-se para o serviço nas FAs, mais exatamente na Marinha. O motivo pelo qual, de maneira um tanto repentina, o então Ministro da Marinha, almirante de esquadra Maximiano da Fonseca tomou tal decisão nunca chegou a ser bem explicado. Segundo a Capitão de Mar-e-Guerra Cirurgião-Dentista Sheila Aragão, atualmente na reserva, co-autora de um livro  sobre o tema (até onde sei, ainda no prelo), “Mulheres a Bordo”  – 30 anos da Mulher Militar na Marinha” … “Acredito que foi a sensibilidade do almirante Maximiano Eduardo da Silva Fonseca (então ministro da Marinha) de observar a capacidade das mulheres de preencherem as lacunas deixadas pelos homens nas atividades operativas que colaborou para isso”. Tudo bem, é uma explicação, mas, segundo outras avaliações, a idéia do então ministro visava dar uma “bombada” na popularidade da Marinha, que, na época (os estertores do regime militar), como de todas as outras corporações militares, estava abaixo da linha d´água. Se a popularidade da Marinha cresceu, não sei, mas, seja lá como for, a idéia foi boa. As FAs do Brasil foram as primeiras da América Latina a incorporarem mulheres em suas fileiras, embora em condições especiais – são consideradas “auxiliares”, ou seja, não cumprem funções de combate, são incorporadas aos quadros técnicos – saúde, administração e ensino – e não atingem o generalato. A Marinha abriu o primeiro concurso em 1980. Em 2006, formou-se a primeira turma de mulheres pilotos de aviação; em 2009, as primeiras mulheres concluiram o curso de formação de páraquedistas. Em 2010, haviam cerca de 17.000 mulheres incorporadas às forças armadas nacionais.

Passado o período de serviço, o militar, independente do posto, passa à “Reserva de Disponibilidade”, situação em que continuará até os 49 anos de idade. Essa Reserva, que também abarca cidadãos que tenham estado incorporados como oficiais, graduados ou praças temporários (geralmente por prazo máximo de nove anos) e em unidades de ensino, como os CPORs e colégios militares – é chamada de “Reserva não-remunerada”, ou “R2”, “Reserva da 2ª Categoria”. Os militares “de carreira”, aqueles dispensados depois de atingirem o tempo de serviço ativo são chamados de “R1”, abreviatura de “Reserva da 1ª Categoria”, ou “Reserva Remunerada”; os cidadãos dispensados do serviço ativo constituem a “Reserva da 3ª Categoria”, ou “R3”, daí o nome popular atribuído ao Certificado de Dispensa de Incorporação (CDI) que recebem quando formalizada a situação, “certificado de terceira”. Os membros das Reserva de Disponibilidade continuam obrigados a, periodicamente, realizarem um “Exercício de Apresentação da Reserva”, o que atualmente é feito através de uma ferramenta de Internet denominada EXARNET. Segundo o texto divulgado por essa via, a finalidade do EAR é dar ao Exército um mínimo controle sobre a situação da Reserva de Disponibilidade.  O Ministério da Defesa estima que o efetivo da RD seja (dados de 2008) de 1.785.000 de homens, com idades compreendidas entre os 18-49 anos, e por volta de 80.000 mulheres com idades compreendidas entre os 19-45 anos de idade.

A questão é que não existe um controle estrito por parte do Ministério da Defesa sobre a Reserva. Não são feitos exercícios de mobilização e o acompanhamento é realizado, de forma precária, pelas Juntas do Serviço Militar através de listas nem sempre atualizadas. Um estudo realizado por um aluno da Escola de Comando e Estado Maior do Exército em meados da década passada dava conta de que, em caso de necessidade, o Exército poderia contar com aproximadamente 600.000 reservistas de primeira linha, com treinamento completo e idade entre 22 e 30 anos: os egressos do serviço nas unidades de primeira linha. O número me parece muito baixo, mas é possível que o autor estivesse considerando os reservistas baixados do serviço de até 4 anos em unidades de pára-quedistas, tropas de especialistas (como forças especiais, tropas de montanha, combatentes de caatinga, aeromóveis e polícia do exército)  e infantaria  de selva. A conta provavelmente não incluiu os oficiais R2 (tenentes e capitães), cuja idade, após 8 anos de serviço, costuma a ser de 30 a 34 anos – que, segundo a Associação Brasileira de Oficiais da Reserva do Exército/R2 (ABORE), seriam uns 40.000. Segundo o estudo, o tempo de mobilização daquele primeira grupo seria de 3-4 dias para algo em torno de 200.000 reservistas, aqueles moradores nas capitais, a maioria no Rio de Janeiro. Não faço idéia de como esses cálculos foram feitos, e não consegui maiores informações – afinal, é compreensível que dados dessa natureza sejam sigilosos. Mas me parecem um pouco mais próximas da realidade as notícias sobre um exercício de mobilização realizado em 2010: número não especificado de reservistas, licenciados entre 2005 e 2009, apresentou-se à diversas unidades no âmbito do Comando Militar do Planalto, num exercício denominado “Operação Treme-Terra“. Ao longo de três dias, uns 150 reservistas participaram de um exercício militar com tropas da 3ª Brigada de Infantaria Motorizada, sediada na cidade de Cristalina, estado de Goiás.Em certo momento, surge  uma arma, provavelmente distribuída aos reservistas, que aponta para os problemas enfrentados pelas FAs brasileiras em geral. O FO mod1908, arma de mais de cem anos, só de serviço no EB, não é, evidentemente, equipamento padrão em nenhuma categoria de tropa. Entretanto, é distribuído a recrutas em instrução para que estes se acostumem ao peso da arma e a atuar junto com ela (“atuar”, no caso, significa incorporar a arma a certos padrões comportamentais – por exemplo, não esquecer dela ou não abandoná-la numa situação de tensão). Por que isso é feito? Simples – porque o fuzil regulamentar, o Fz M964 não existe em números suficientes para ser distribuído a todo mundo. Os recrutas, então, devem ter ido para o campo, em situações que não implicariam em tiro real ou de exercício, equipados com a veneranda peça  de museu. Menos mal – pelos menos todos tem uma arma…::

O Brasil, as forças armadas, a profissão militar:: Quetais relativos (Parte I)::

Embora eu não saiba dizer se as férias do blogue terminaram, persistirei nos temas que não dão muito trabalho e despertam o interesse dos assíduos. Assim, causa:: retorna aos temas militares, pois qualquer tema desses é mais tranquilo e menos belicoso do que o que se tem observado no campo da política brasileira. Tempos atrás, fiz algumas considerações sobre a profissão militar e suas características. Acho que vale à pena retomar a conversa sobre a profissão militar e a modernização das FAs brasileiras – tópico que, por sinal, deveria ser de interesse de todas as autoridades da República. Em duas pertes. Em seguida, retormamos a conversa sobre por que precisamos de Forças Armadas, mesmo sendo um “país pacífico”::

parte iQuando se fala em “profissionalização” militar, o tema se aplica ao modo como um Estado nacional encara suas necessidades de defesa, e como tais necessidades são divididas entre a sociedade e administradas pelo Estado, na forma da lei. Parte importante deste tema diz respeito à estruturação das Forças Armadas – efetivo, equipamento, orçamento – e as complexas questões daí decorrentes, dentre as quais, o fato de que existe uma estrutura, sustentada pelos cidadãos (ou seja, pelos pagadores de impostos) encarregada de operar tudo isso. Outra parte, menos falada (pelo menos em nosso país “pacífico”) diz respeito à como a sociedade, além de pagar pela coisa, é obrigada, no mundo moderno, a assumir parte dessas responsabilidades. Independente de qual país se esteja falando, se estará falando na constituição de uma reserva militar.

Trata-se de fenômeno universal – pelo menos em países medianamente organizados. A mobilização de cidadãos não-militares ou não ligados à profissões correlatas (policiais ou soldados mercenários) data do século 18, na França, quando a mobilizaçao universal e a formação de um “exército cidadão” salvou o país de uma derrota catastrófica diante das potências que se mobilizavam contra a derrubada da Monarquia. A idéia de mobilizar cidadãos não era nova, mas nunca tinha alcançado toda a sociedade, independente da origem do cidadão. Diante de necessidades militares crescentes e de guerras que se estendiam em alcance e violência, e exigiam uma fonte de potencial humano imediatamente acessível, os Estados passaram a considerar que seus exércitos teriam de ser ampliados para além dos limites tradicionais. Isso significava deixar de buscar efetivos nas fontes tradicionais – os oficiais, na pequena nobreza, em geral empobrecida; os soldados, no campesinato subordinado à essa nobreza. A constituição, no século 19, de um “corpo de cidadãos”, ou seja, de indivíduos igualmente subordinados à Lei, teve nos exércitos importante ferramenta. A profissão militar deixou de ser – pelo menos descaradamente… – privilégio dos cidadãos das categorias sociais dominantes ou forma de castigo para outros cidadãos. 

A conscrição universal (ou seja, tendo como fonte de pontencial humano para as FAs a sociedade inteira), que se regularizou na primeira metade dos Oitocentos, nos EUA, Inglaterra, França e Prússia, foi uma das formas de criar essa “Nação em armas”. Obrigatória ou voluntária, visa, antes de mais nada, formar essa reserva, constituída por reservistas, ou seja, cidadãos com algum treinamento e noções da vida militar. Quando necessário, o Estado, usando suas instituições permanentes, os mobiliza e incorpora. Ao longo do tempo – particularmente a partir do final do século, começou a ficar claro que o serviço militar – que implicava, com grande frequência, “dar a vida pela Pátria” – precisava corresponder ao reconhecimento, pelo Estado, de certos direitos dos cidadãos-soldados, o primeiro deles não ser jogado em combate sem saber como proceder (o segundo, terceiro e por aí vai, seria não ser  simplesmente devolvido à vida civil estropiado ou maluco, sem nenhum apoio – mas essa é outra história…). Assim, formar a reserva implica estabelecer uma estrutura de treinamento que, necessariamente, retirará o cidadão, durante certo tempo, da vida normal. Pois para treiná-lo é preciso colocá-lo na tropa.

Embora o período de treinamento varie , é esperado que seja suficiente para que o conscrito aprenda a operar armas e, sobretudo, acostumar-se à “vida militar”. Esse contingente humano (cuja maior parte, ainda na maioria dos países, é do sexo masculino) após um período que vai de 12 a 36 meses é devolvido à vida civil, esperando-se que seus integrantes fiquem à disposição por uns 25 anos. Entretanto, visto que a habilidade física é pressuposto para a maioria das funções que serão exercidas pelos militares, o reservista não estará apto para o serviço de combate durante muito tempo. A idade ideal para os membros, por exemplo, da infantaria combatente, é de 18 a 25 anos; artilheiros podem ter até 30 anos; para tropas em outros serviços, no máximo 40 anos. Essas considerações implicam elementos complexos, que não vale à pena aprofundar, mas são importantes para que os especialistas em políticas militares consigam planejar o tamanho das forças singulares na ativa, da reserva de contingência e da reserva mobilizável::

O Natal de causa::Uma questão nada natalina::

De fato, uma questão muito pouco natalina… Mas vá lá…

Anos atrás, conversando com um veterano que havia passado um “tour” (como eles chamam o período de serviço em campanha) no Vietnam, entre os anos de 1967 e 1968, a certa altura, notei que o cara se referia frequentemente ao inimigo como “charlie”. Perguntei ao sujeito se essa denominação teria relação com o alfabeto de fonético usado pela OTAN e pela ICAO (Organização Internacional de Aviação Civil), e adotado por quase todas as instituições ocidentais que utilizam comunicações  de voz. Imaginei que essa fosse, para um ex-militar, fácil de responter. Nada. O antigo cabo-de-esquadra (lance corporal, em inglês, posto inexistente nas forças armadas brasileiras) dos Marines não fazia a menor idéia do que eu falava. Quando perguntei se “charlie” seria uma contração de “victor-charlie”, só então ele entendeu.

A forma atual (e bastante conhecida), desta representação fonética do alfabeto latino moderno difundiu-se a partir de sua adoção pela OTAN, na instrução intitulada “Publicação Tática Aliada 1, Volume II: Livro de Sinais Marítimos e de Manobra”, divulgada no início dos anos 1950. Essa instrução regulou a forma de vocalização de expressões codificadas, em mensagens por telecomunicaçãoes, e foi adotada pelas marinhas dos países da Aliança Atlântica. Mesmo tendo o inglês como língua de trabalho, a pronúncia variava grandemente, caso estivessem se comunicando um norueguês e um canadense, por exemplo. O alfabeto fonético usa, para relacionar letras e números, palavras cuja pronúncia varie pouco, seja lá qual for a língua natural usada pelo emissor. A primeira experiência data de 1927, numa forma bem diversa da atualmente difundida. A iniciativa foi formalizada em uma instrução da União Internacional de Telecomunicações (ITU), adotada por todos os países membros. Tornou-se mais difundida conforme o uso de comunicações com modulação de voz (rádio falado, inexistente na 1ª GM) se tornou comum e o problema da diferença de línguas e pronúncias aumentou (mesmo uma língua comum, como o inglês ou o protuguês, por exemplo, tem pronúncia muito diferente, dependendo do país que se considere).  

No Vietnam, os militares norte-americanos costumavam a utilizar abreviaturas e acrônimos, como forma de diminuir a ambiguidade da comunicação oral. Assim, referiam-se às forças armadas dos EUA como Uniform-Sierra-Mike, querendo dizer US Military; aos militares locais como Alfa-Romeo-Victor-November (Army, Republic of VietNam); pediam apoio aéreo usando a abreviatura Alfa-Sierra-November (Air Support Needed); e por aí vai. O inimigo era tratado por Victor-Charlie, querendo dizer VietCong.

Isto se referia a qualquer pessoa tida como simpatizante dos comunistas e que aceitasse o comando da Frente de Libertação Nacional do Vietnam do Sul (organização política estabelecida no Vietnam do Sul a partir de 1960). Os irregulares armados do Sul eram chamados, genericamente, de “vietcongs”. Essa palavra era uma contração de Việt Nam Cộng-sản, (comunista vietnamita), embora outras interpretações a dêem como contração de Việt gian cộng sản (“traidor comunista do Vietnam”). Segundo diversos historiadores, a imprensa sul-vietnamita situacionista começou a usar essa palavra como um pejorativo, em 1956, mas logo documentos diplomáticos e militares norte-americanos passaram a usar a expressão para referir insurgentes presos ou mortos nas ações de guerrilha que começavam então a se tornar comuns. A difusão da abreviatura Victor-Charlie ou VC, e do uso  da contração “Charlie” deve-se aos assessores militares enviados em grandes números ao Vietnam do Sul a partir de 1961, durante o governo Kennedy. O curioso é que os norte-americanos não faziam distinção entre combatentes sul-vietnamitas e militares norte-vietnamitas (que estava presentes em grandes números no Vietnam do Sul, durante toda a guerra, embora essa presença não fosse admitida pelo governo do Vietnam do Norte.

Que relação isso tem  com o Natal? Nenhuma, a não ser o fato de que a foto lá em cima mostra um show realizado em um hospital militar, no ano de 1970… E é tambem uma forma de causa:: agradecer aos aos assíduos as visitas que me dão vontade de continuar escrevendo estas notas…::