Aos famosos poucos, uma satisfação::Isto não é “adeus”, é “até logo”::

Faz uns quatro meses, publiquei o último post deste blogue, por sinal atualização de um dos primeiros textos colocados aqui, em 2007. Cinco anos atrás. Ao longo deste tempo, causa:: tem sido, dentre as atividades que mantenho, uma das que mais me dá prazer. Só que as outras atividades, que nem sempre me dão assim tanta satisfação, têm tomado boa parte de meu tempo. A maior parte, dizendo melhor. Ultimamente, embarquei em algo que tem me parecido mais uma aventura: escrever um livro sobre a 2ª GM. No início, pareceu fácil: conheço bastante sobre o tema, tenho uma boa biblioteca específica (uns mil títulos, entre livros convencionais e eletrônicos), e já escrevi bastante sobre o assunto – aqui no blogue das boas causas. Só pareceu: bastou iniciar o esboço do projeto para que ficasse claro as dificuldades envolvidas nele. A maior delas: como conceituar o assunto?

Enquanto dava cabeçadas nessa questão, atraquei-me com dois calhamaços recentemente descobertos: “The Second World War”, do historiador militar inglês Antony Beevor (para a página do autor, com uma ótima resenha sobre o livro, aqui; para o blogue de Beevor, aqui), na edição para Kindle, e “A Guerra e a Paz na História Moderna”, do jurista norte americano Philip Bobbitt (uma entrevista sobre o livro e seus temas, aqui). Não sei dizer quantas paginas tem o livro, já que não tentei aprender a contar páginas em e-books, mas o livro é grande. Beevor é um ex aluno da Real Academia militar de Sandhurst, e discípulo de outro grande nome do ramo: John Keegan (espero que não seja preciso dizer que Keegan é o mais renomado historiador militar da atualidade, falecido recentemente). Na esteira de Keegan, Beevor faz parte de uma fornada de “novos historiadores militares” (dentre os quais podemos citar sir Max Hastings, Andrew Roberts e o norte americano Steven Ambrose, dentre os mais conhecidos) que abandonaram a abordagem estritamente técnica da guerra e a inseriram em contextos mais amplos, onde a política e a sociedade são partes integrantes não do pano de fundo, mas do desenrolar do conflito. Esses “novos historiadores” mobilizam, com grande intensidade fontes dentre as que são atualmente chamadas pelos historiadores profissionais de “alternativas”: história oral colhida a partir de militares e civis, fontes jornalísticas e literárias. Para o leitor, esta nova forma de explicar os conflitos torna a leitura menos árida. Só que Beevor tem um ponto interessante: sua “história da Segunda Guerra Mundial” recua, entre idas e vindas, a 1931, com a tentativa de expansão japonesa para a China e a guerra daí resultante. De fato, essa visão mais ampla das origens da guerra, colocando suas raízes nos problemas políticos resultantes da paz de Versalhes, em 1919, não era novidade: diversos autores especializados apelam para essa periodização, mas dificilmente as “histórias da 2ª GM” entram em detalhes sobre os antecedentes do conflito. O próprio Beevor desce a detalhes com relação à problemática militar, mas não chegava a aprofundar sobre os antecedentes. Ao estabelecer o projeto do livro, decidi que, se pretendo fazer algo minimamente original, não poderia apenas “contar a guerra” – gente muito competente e capaz já havia cumprido tal tarefa, e eu poderia, se tanto, copiá-los. Caso eu pretendesse fazer algo que valesse o trabalho, teria de encontrar um “gancho”. E esse “gancho”estava no livro de Bobbitt, e em seu conceito de “longa guerra”.

Não explicarei em detalhes – pretendo que, dentro de alguns anos, as pessoas se animem a comprar o livro (se é que vai sair…) para descobrir. mas adianto: Bobbitt oferece um interessante conceito, que coloca a 2ª GM numa perpectiva mais ampla: uma luta entre fascismo, comunismo e democracia representativa pelo espólio dos i´mpérios europeus constituidos ao longo da Idade Moderna. Melhor ainda: a 2ª GM teria sido apenas uma das “campanhas” da “Longa Guerra dos Estados-nações”, guerra que teria se prolongado até os anos 1990.

Pretendo que meu texto gire em torno desse conceito e, de fato, vários dos pequenos textos que já publiquei no blogue apontam nessa direção. O próprio desenvolvimento técnico do “fazer a guerra”, abordado anos atrás, de forma magistral em “Uma história da guerra” de John Keegan (se não é um livro definitivo, é quase…) é um indicativo da amplitude dos acontecimentos e de sua temporalidade estendida. Claro que não tenho a menor intenção de chegar até a Guerra Fria e muito menos recuar até a Guerra dos Trinta Anos, como Bobbitt faz. Mas reconhecer a articulação da 2ª GM com os acontecimentos mundiais que se iniciam na segunda metade dos Oitocentos. Qualquer estudant de história entenderá do que estou falando. Os assíduos de causa:: também.

Assim, resolvi comunicar aos meus dez leitores contadinhos que estou decretando um recesso do blogue. Esses “famosos poucos”, que me tem dado o prazer da companhia ao longo desses cinco anos, sabem que cada um dos textos que coloco aqui demanda, por vezes, semanas de pesquisa. Sem problema: gosto de pesquisar, é parte de meu trabalho e algo que faço bem. Mas não sei se conseguirei manter o blogue em atividade diante da pesquisa bibliográfica e do projeto de redação que tenho diante de mim. Vou tentar publicar alguma coisa no causa:: de tempos em tempos, para não deixar o blogue totalmente inativo. Mas certamente essas postagens não terão o volume e o cuidado que tenho feito questão de que sejam a característica desta “ferramenta de pesquisa”.

Então, é isto. Como eu disse acima, não é um “adeus”, mas um “até logo”. E podem esperar – o pior que pode acontecer é, caso eu não conseguir levar o projeto do livro adiante, o texto aparecer aqui no causa::, dentro de uns dois anos, como se fosse um folhetim. O futuro dirá::

causa:: agora tem Tuíter::Tuítem causa::, pois::

Em primeira mão, para apreciação dos nove ou dez leitores, o Tuíter de causa::

É isso. Com algum tempo de atraso, causa:: entrou no Tweeter. Custou esse tanto pelo fato de que o redator:: não dá muita bola para essas coisas. Recursos de pesquisa se faz com pesquisa, seja na Internet, ou em qualquer outro canto. Mas o redator:: foi surpeendido pelo aumento quase exponencial dos acessos aos postos sobre o evento Wikileaks. Não que os acessos, antes, fossem da ordem de meia-dúzia-de-três-ou- quatro. Não – como todos os que passam por aqui sabem, causa:: tem frequência assegurada pelos agora nove ou dez leitores assíduos. Os acessos, entretanto, nessa oportunidade, em específico, mais do que dobraram. Esse acontecimento fez o redator:: refletir: será que ajudaria anunciar com antecedência os postos que são colocados aqui com frequência irregular (em geral, pelo menos um ou dois por semana)? E mais: será que os assíduos gostariam de receber dicas de leitura e pesquisa? Perguntas, perguntas…

Bem, causa:: resolveu apostar, e fez um Tuíter (sem o sotaquezinho pernóstico de certos podcasts, claro – o redator:: insiste que este é um blogue nacional – além de nacionalista, claro…

O endereço é @bittenjn

Tuítem causa:: pois então. O redator:: agradece e promete melhorar o conteúdo tanto quanto possível a seus parcos recursos técnicos… Também agradecerá, penhorado e comovido, pela divulgação. E, sobretudo, apreciará dicas sobre o funcionamento da geringonça, que lhe é totalmente estranha. Então… Tuítem, divulguem, ajudem::