Historinhas de Natal de causa::Wehrmachtweinachten::

Dando continuidade a nosso levantamento de instituições nada natalinas afetadas pelo espírito de Natal, causa:: localizou um interessante artigo (em inglês) publicado pelo pesquisador Jason Pipes, do excelente sítio de história da Wehrmacht Feldgrau. Pipes descreve, com muitos detalhes, como eram as comemorações de Natal da Wehrmacht. Por mais esquisito que possa parecer falar em nazistas comemorando o Natal, devemos lembrar que pouco menos de 90 por cento da população da Alemanha, em 1939, se declarava cristã, protestante ou católica. A ditadura implantada em 1933 nunca chegou a declarar-se anti-religiosa ou anti-clerical, de modo que os alemães  continuaram a praticar suas crenças. Por sinal, muitos religiosos colaboraram intensamente com os nazistas. Para além, o Natal é uma festa particularmente significativa na Europa Central e do Norte, onde se originaram muitas das tradições associadas à festa natalina. A árvore de natal, por exemplo, é resquício de práticas das antigas tribos germânicas, assim como o uso de guirlandas de folhas de carvalho na porta das casas (visavam afastar os maus espíritos). Os nazistas tentavam capitalizar essas (e muitas outras) tradições ancestrais do povo alemão.

Muitos combatentes alemães, dos mais fanáticos, consideravam que a “superioridade ariana” derivava, dentre outros motivos, da religiosidade. O coronel SS e líder dos rexistas valões, Leon Degrelle, se declarava “profundamente católico”. Após a guerra, falou sobre o Natal que, em 1943, passou junto aos valões (belgas que reivindicavam uma nacionalidade própria) que atenderam em grandes números à convocação para formar uma força com o efetivo de brigada, que, para fins de propaganda, recebeu o nome de 28ª Divisão de Infantaria Waffen SS “Wallonien”:

“De madrugada, os tiros foram cessando. Nosso capelão, deu a Comunhão às tropas, que chegavam da frente, esquadrão após esquadrão, para tomar lugar na capela ortodoxa onde os padres valões, trajados em seus uniformes acinzentados juntaram-se, de modo verdadeiramente cristão, ao velho sacerdote do vilarejo russo, que usava sua mitra púrpura. Os corações, dos soldados, tristes e amargurados, se acalmaram. Seus amados pais, esposas e filhos, em casa, tinham participado da mesma Missa e recebido a mesma Eucaristia. Os soldados voltaram para suas posições com suas almas simples, puras como a grande estepe branca, que cintilava na manhã de Natal.”

Depois da guerra, Degrelle fugiu para a Espanha, ode viveu de forma considerada faustosa e espalhafatosa, sempre se declarando cristão e anticomunista. Abaixo, causa:: publica algumas fotos que mostram como era a comemoração de Natal entre as tropas da Wehrmacht. Não devia, por sinal, ser muito diferente daquelas festejadas pelo inimigo.

Efetivos da companhia de metralhadoras do Regimento de Infantaria 24, da 21ª Divisão de Infantaria, comemora o Natal nos alojamentos da unidade, em território polonês, dezembro de 1939.

A ceia de Natal, numa unidade não-identificada da Luftwaffe, provavelmente em dezembro de 1942. Muitas dessas fotos eram tomadas por elementos das Propaganda Kompanie, unidades equivalentes aos correspondentes de guerra dos aliados.

Graduados de uma unidade do exército (Heer; Wehrmacht - "Força Militar" - era a denominação do conjunto das forças armadas) recebem cartas e pacotes de casa. É, provavelmente, o Natal de 1943, pois o soldado no centro usa um uniforme do padrão de camuflagem denominado Erbsenmuster ("padrão grão de ervilha"), que começou a ser distribuído no final desse ano.

Uma moça (em uniforme) às Segundas::

Já que o Logan, um dos famosos “poucos” aqui do causa:: clama por assuntos relativos à Segunda Guerra Mundial…

Alguns especialistas dizem que os exércitos entraram na 1a GM usando uniformes de corte, e quando saíram, os combatentes trajavam uniformes de fábrica adaptados. É uma boa observação. Quando a 2a GM começou, os exércitos trajavam uniformes da 1a GM e, no fim do conflito, trajavam a moda ditada pelas novas doutrinas: velocidade, mecanização, logística. Assim, a moda militar segue a doutrina. Os uniformes alemães e norte-americanos, por exemplo, foram adaptados para o uso no ambiente estreito dos veículo de combate: túnicas mais curtas, jaquetas sem golas ou outros elementos que pudessem atrapalhar a mobilidade do combatente, agarrando-se em volantes, travas, alavancas.

Os uniformes femininos seguiram essa tendência, tendo seus desenhos adequados às novas funções femininas. Mas quais foam as “funções femininas” na 2a GM? Até muito recentemente, nenhum Estado pensaria em colocar uma arma nas mãos de uma mulher e mandá-la para o combate. De fato, até a 1a GM, a participação da mulher nas corporações militares era bastante restrita. Casos como os de Maria Quitéria, da condessa Emilia Platter, que serviu no exército polonês em 1831, de Mollie Bean e Calamity Jane, que serviram na Guerra Civil Norte-americana, a primeira no lado dos confederados, a segunda como batedora da cavalaria da União, são extremamente raros. Não configuravam alistamento feminino, mas mulheres que se disfarçaram de homem, para ter acesso às formações militares. Na 1a GM, as mulheres foram convocadas em números sem precedentes, mas, ainda assim, os casos de combatentes do sexo feminino ainda foram muito raros. Geralmente, as mulheres eram alistadas para servir em funções masculinas abertas pela convocação em números sem precedentes: policiais, funcionários públicos, trabalhadores em ferrovias e, principalmente, operários. Nos exércitos, a situação era a mesma, e as mulheres prestaram serviço principalmente em funções de escritório e como enfermeiras. Durante a Segunda Guerra Mundial, a situação não mudou, e as mulheres continuaram sendo convocadas a ocupar espaços abertos pela convocação maciça de homens. A moça acima é uma militar norte-americana, em uniforme classe B, de passeio. Observe-se que é um uniforme padrão do exército, adaptado para uso de convocadas: elementos como as cores e o desenho das peças, como o dolmã, são os mesmos usados pelos homens. Apenas a cobertura foi modificada, pois o quepi não era considerado funcional diante do corte de cabelo feminino. As cores e distintivos são exatamente os mesmos (claro, observando-se que cada posto e função tinha os seus). A participação em combate inexistia, embora algumas funções, como conduzir aviões até as bases de retaguarda (é o caso da moça da foto, que usa as asas de piloto da Força Aérea do Exército dos EUA) e como enfermeiras, em hospitais de campanha, fossem novidade. Nas forças armadas britânicas a participação feminina também foi grande, mas, como nos EUA, em funções consideradas “adequadas à constituição feminina“. Apenas a URSS mandou mulheres para a frente, em função da dramática falta de homens para convocação. Não se sabe exatamente quantas mulheres perderam a vida em combate, mas muitas combatentes soviéticas foram condecoradas como “Herói da União Soviética”::

Um rapaz (das Forças Especiais) às Terças::

Tudo bem, ainda é segunda, mas o redator não resistiu esperar até amanhã… Caros sete leitores (ou oito, sei lá…), conheçam Yang Guoxigiang. Porque vocês devem conhecer um obscuro piloto da Força Aérea do Exército de Libertação do Povo da China? Boa pergunta… Leia para saber. A entrevista foi publicada na edição de janeiro de 2010 da Revista Air&Space Smithsonian, feita pelo repórter especializado Bob Bergin. A entrevista completa (e o redator tem certeza que os sete leitores vão querer ler) pode ser lida em www.airspacemag.com::

O piloto Yang Guoxing, da Força Aérea do Exército de Libertação do Povo da China, quando em treinamento, por volta de 1959. Em 1971, no período final da Revolução Cultural, os postos tinham sido abolidos das forças armadas chinesas, por serem "desvios burgueses". Haviam apenas "oficiais" e "soldados", o que não necessariamente traduzia uma cadeia hierárquica, pois as unidades eram "comandadas democraticamente" por assembléias populares (era esse exército que pretendeu entrar em combate contra a URSS, em 1968...). Yang era, então, um jovem oficial, mas sua competência estava acima de questão, pois o programa nuclear chinês foi mantido, de forma sensata, fora do alcance dos Conselhos Revolucionários e dos Guardas Vermelhos.

Nascido nas remotas montanhas da província de Yunnan, Yang teve de se esforçar muito para freqüentar a escola. Tornou-se guerrilheiro e depois soldado do Exército de Libertação do Povo. A carreira militar levou-o à função de piloto de ataque ao solo. Nos anos 1970, quando a China desenvolveu o caça tático supersônico Qiang 5, ele foi selecionado como piloto de teste, tendo tido papel fundamental no desenvolvimento da aeronave. Ele também foi selecionado para lançar uma bomba de hidrogênio em teste. A detonação bem sucedida colocou o armamento termonuclear chinês em status operacional.

Seu primeiro vôo de lançamento falhou. O que deu errado? Em 30 de dezembro de 1971 eu decolei e subi até a altitude de 300 metros, e então aproei em direção ao alvo em Lop Nor, a 300 quilômetros de distância. A cerca de 11 quilômetrosdo alvo, iniciei uma subida de 45 graus até alcançar o teto de 1200 metros, quando liberei a bomba. Nada aconteceu! Ela não se soltou do cabide onde estava presa (nota do editor:: – observem que o sujeito fala de uma bomba de hidrogênio como se fosse uma garrafa de limonada). Havia três mecanismos de liberação iguais, dois dos quais eram reservas. Nenhum deles funcionou. Segui os mesmos procedimentos na segunda passagem, mas outra vez nada aconteceu. A mesma coisa na terceira passagem. Eu estava ficando sem combustível. Poderia abandonar a aeronave e deixá-la cair na região próxima de Lop Nor, onde se espatifaria sem ferir ninguém. Ou poderia tentar levá-la de volta à base. Refleti sobre o tempo e esforço gastos no projeto da bomba-H, e o dinheiro que custara ao povo chinês, e tomei minha decisão. Quando notifiquei a torre de controle que estava retornando com a bomba, soaram as sirenes de evacuação. Todo mundo pôs máscaras de gás e correu para dentro dos abrigos.

Qual era sua maior preocupação, durante o retorno? Pendurada no cabide, a bomba ficaria a aproximadamente 10 centímetros acima da pista de pouso, e havia a possibilidade de que ela explodisse ao contato. Todo mundo naquela base ainda lembra meu nome: eu quase levei até eles o Juízo Final. Mas fiz um pouso perfeito. Quando cortei o motor, tudo estava em silêncio. Todo o pessoal estava nos abrigos. Eu não podia deixar a cabine: não havia escada que me permitisse sair do avião. Eu chamei a torre para pedir ajuda. O pessoal lá estava furioso, pois eu havia posto dez mil vidas em risco. Disseram-me que me arrastasse até a cauda e pulasse de lá. Como eu trouxera de volta, inesperadamente, a bomba-H de teste, não havia viaturas de serviço equipadas com escudos de segurança (antirradiação). Fiquei no campo de pouso por longo tempo.

O que causou o defeito? Os mecanismos de liberação do cabide estavam guardados em uma área aquecida, até poucos momentos antes de serem montados na aeronave. Depois da decolagem, da rápida subida e do choque com o ar frio, a súbita mudança de temperatura pode ter afetado as tolerâncias do material e emperrado o mecanismo.

E seu vôo seguinte? Em 7 de janeiro de 1972. Dessa vez, quando liberei a bomba, ela se separou do avião. Reverti o curso de forma a deixar a área de explosão, e ativei os escudos que me protegiam dentro da cabine. A 12 milhas da área de detonação, vi um grande clarão. A onda de choque sacudiu o avião como se fosse um barquinho no oceano, e então vi a nuvem em forma de cogumelo. Meu nome foi mantido em sigilo até que fui formalmente reconhecido, numa conferência comemorando os sucessos da bomba-A, da bomba-H e do primeiro satélite artificial, os mais importantes projetos desenvolvidos pelo Exército de Libertação do Povo, depois da fundação da República Popular da China::

Um rapaz (das Forças Especiais) às Terças::

É um bom jogo, esse. Está dando pra ver um dos caras na foto, não é? Mas existem três deles. Dá pra encontrar, na lata, primeira olhadinha? Sem ter de examinar com algum cuidado? Experimente e, depois, conte aqui para o redator: difícil de acreditar, não é? A foto foi publicada na capa do “Jornal da Infantaria”, de fevereiro de 1944, e mostra três snipers durante testes com padrões disruptivos de camuflagem, em um campo de provas do Exército dos EUA, em Nevada. O exército norte-americano tomou contato com a camuflagem através dos alemães, que, no início da guerra, já a utilizavam de forma mais-ou-menos generalizada. Peças de uniforme e de equipamento (como, por exemplo, os Zeltbahnen, ponchos que podiam ser usados como  tendas) nos padrões *Splittermuster (“padrão lascado”) e *Sumpfmuster (“padrão-pântano”) remontavam a 1931 e foram adotados em 1932 tanto pelo exército quanto pela infantaria da Luftwaffe. Conforme a guerra avançava, a disseminação de tecidos sintéticos na confecção de uniformes e peças de equipamento em tecido tornou ainda mais comuns os padrões de camuflagem. A questão é que os norte-americanos não simpatizavam com os padrões camuflados, e só a contragosto resolveram avaliar padrões disruptivos. Em 1942, o Exército dos EUA distribuiu um uniforme camuflado reversível, para uso nas selvas do Teatro do Pacífico: um dos lados tinha um padrão de formas irregulares arredondadas, em tons predominantemente verdes, o outro, em tons de marrom. Segundo fontes da época, o padrão marrom reproduzia o traje geralmente usado por caçadores de patos, e foi chamado, por este motivo Duck Pattern.  Os fuzileiros navais, que também receberam o traje, não o avaliaram bem. Relatórios apontavam que o padrão era muito eficaz para indivíduos estáticos, mas tinha efeito contrário quando usado em movimento. O Exército logo desistiu do uso de tais uniformes; os fuzileiros o mantiveram para a cobertura de capacete, que se tornou bastante característico do uniforme do USMC na 2a GM. É provável que a avaliação de campanha dos padrões camuflados tenha levado a testes de padrões como os da foto. Em campanha, o uniforme verde-oliva predominou até a Guerra do Vietnam, quando os padrôes camuflados começaram a ser adotados de forma mais ampla, primeiro por forças especiais, depois pela infantaria.::

Uma moça (em uniforme) às Terças::

Reserva do Exército da Bélgica em treinamento. É estranho que uma lourinha tão bonitinha (bem, o redator supõe que seja loura e seja bonitinha – vamos dar um desconto à imaginação…) tenha exagerado desse jeito na maquiagem, mas, acreditem – faz sentido. Certo que os belgas sempre gostaram de padrões de camuflagem esquisitos – notem a cobertura do capacete e a jaqueta da gracinha. Trata-se de um padrão local belga, disruptivo, denominado pelo  Índice Internacional de Padrões de Camuflagem de jigsaw puzzle pattern m/56 (em português, “padrão quebra-cabeça” – notem que parece mesmo um quebra-cabeças). Mas de lascar mesmo é a maquiagem da lourinha… Maquiagem?.. Não deixa de ser, embora os milicos a tratem por “tinta facial“. É uma espécie de pasta a prova d´água, neutra, sem odor e hipo-alergênica, desenvolvida a partir dos anos 1960 pelo Centro de Pesquisas Médicas e Comando de Material do Exército dos EUA, em Fort Detrick, Maryland, em conjunto com o Centro de Pesquisa, Desenvolvimento e Engenharia de Sistemas para Soldados do Exército dos EUA, em Natick, Massachussets. Essa pasta, disponível em tons de  verde, marrom e branco, destina-se a minimizar o brilho natural da pele. É muito usada entre membros de forças especiais e forças de elite e ultimamente se tornou moda também entre artistas de vanguarda e praticantes de luta-livre… Como disse o redator, faz sentido…::

Um rapaz (das Forças Especiais)às Terças::Forças Especiais do Exército Brasileiro::

ForçasEspeciais_BR

Integrantes do 1 ° Batalhão de Forças Especiais do Exército Brasileiro. Em primeiro plano, um atirador de escol, vestindo “traje Ghillie“, carrega um Fuzil M964 7,62 dotado de mira telescópica OIP Belgio 3X6 (p´ra lá de obsoleta…).  Em segundo plano, elementos de Forças de infiltração portam o modelo-padrão. O FAL é uma boa arma para atiradores de escol (snipers, em inglês), devido à potência do cartucho e ao peso da arma, que a torna bastante estável durante o disparo. Como disse o leitor “Anônimo”, um dos famosos sete (contadinhos…) os “cabôco”  usam o padrão chamado Ragged Leaf Lizard Pattern, disruptivo de três cores: verde-escuro e castanho sobre fundo verde-claro. Apesar do nome (também aparece como Brazilian Army Lizard Pattern, segundo a terminologia adotada pelo International Camouflage Pattern Index), esse padrão foi desenvolvido por aqui mesmo, nos anos 1980, baseado no padrão M63 usado na Africa pelo exército colonial português. É considerado excelente para combate em ambiente tropical. Esses uniformes deixam no leigo incauto (como boa parte dos jornalistas da imprensa diária…) a impressão de desbotados, o que indicaria a indigência em que vivem as FA nacionais. É apenas parcialmente correto, e vale esclarecer que a aparência é proposital. O padrão busca inclusive simular o brilho provocado pelo excesso de luz característico das regiões equatoriais::